sicnot

Perfil

País

Presidente do Governo da Madeira diz haver indícios de fogo posto no Funchal

O presidente do Governo Regional da Madeira afirmou esta segunda-feira existirem indícios de que o incêndio que deflagrou na freguesia de São Roque, no Funchal, foi "fogo posto", o que está a ser averiguado pela Polícia Judiciária (PJ).

"Foi numa zona onde já aconteceu duas ou três vezes. Estou convencido de que foi fogo posto, porque é uma situação que já se repetiu", disse aos jornalistas Miguel Albuquerque, depois de se deslocar ao local afetado pelo incêndio.

O governante referiu que, com os fortes ventos que estão a afetar a ilha, na ordem dos 70 quilómetros/hora, e as elevadas temperaturas registadas (37 graus), "a situação quase que fugia ao controlo".

Segundo o chefe do executivo madeirense, esta situação é "uma questão judicial" e já está entregue à Polícia Judiciária.

"A PJ já esteve a averiguar o que se passou", vincou Miguel Albuquerque, sublinhando que o fogo "começa sempre naquele local e depois há fortes indícios, até por testemunhas, de fogo posto".

Um incêndio deflagrou esta tarde, pelas 15:30, na freguesia de São Roque, nas zonas altas de Santo António, e o fogo alastrou-se à freguesia vizinha de Santo António, estando a ser combatido por sete corporações de bombeiros da região.

Várias pessoas foram retiradas das suas habitações por motivos de segurança, sobretudo por causa da possibilidade de inalação de fumo, que encobre o Funchal.

Lusa

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.