sicnot

Perfil

País

Enfermeiros algarvios em greve até sexta pelas 35 horas

Os enfermeiros algarvios do Serviço Nacional de Saúde iniciaram uma greve de quatro dias para reivindicar a aplicação das 35 horas de trabalho semanais, a contratação de mais enfermeiros e o pagamento do trabalho extraordinário.

"Estamos a exigir a admissão de mais enfermeiros uma vez que 80 [da bolsa de contratação recentemente aberta] não são suficientes porque são necessários 462", disse à Lusa o sindicalista Nuno Manjua à porta do Hospital de Portimão acrescentando que o sindicato quer a discussão de um plano de admissões com o Centro Hospitalar do Algarve.

De acordo com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), no Hospital de Portimão a greve teve uma adesão de 84% durante o turno da noite e uma adesão de 80% durante a manhã de hoje.

A greve tem objetivos nacionais e institucionais, ou seja, tem reivindicações diretas para o Governo e para o Ministério da Saúde e algumas para a administração do Centro Hospitalar do Algarve (CHA).

O SEP considera que o Governo esgotou os argumentos pelos quais não atribuía o horário de 35 horas de trabalho semanal aos enfermeiros quando houve o anúncio de que não ia ter sanções da União Europeia e defende que é tempo de reiniciar as negociações.

No caso do Centro Hospitalar do Algarve, os enfermeiros apontam falta de coerência quando a administração alega que não assume as 35 horas de trabalho para não interferir com as negociações a nível central e lança um concurso de 40 horas semanais para 80 enfermeiros.

"Ficámos incrédulos. Como é que um Governo repõe na Administração Pública o horário de 35 horas e depois um conselho de administração decide que os próximos enfermeiros a contratar será por 40 horas, ou seja, quem diz que não quer decidir, está a decidir", comentou Nuno Manjua.

A estas reivindicações soma-se ainda o pedido de harmonização da forma de pagamento das horas extraordinárias em todos os serviços do CHA.

A greve foi marcada para o Hospital de Portimão para hoje e amanhã e nos dias 11 e 12 vai decorrer no Hospital de Faro, ambos geridos integrados no CHA.

Hoje, os enfermeiros estão concentrados à porta do Hospital de Portimão dando conta do seu descontentamento à direção daquele serviço de saúde e aos utentes que estão a receber folhetos informativos.

Esta quarta-feira, 10 de agosto, os enfermeiros vão construir um mural de mensagens no muro do Hospital de Faro que vai ter mensagens dos enfermeiros da região para os utentes e para o conselho de administração do CHA.

"Não pode cada serviço decidir que umas horas são pagas em tempo, as outras em dinheiro. Há serviços que ainda não sabem", contou o sindicalista que defende uma harmonização.

Nuno Manjua explicou que, a 11 de agosto, os enfermeiros vão entregar ao conselho de administração do CHA requerimentos solicitando a passagem das 40 horas semanais de trabalho para as 35 e o cumprimento dos horários laborais estipulados.

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.