sicnot

Perfil

País

Fogo em Castanheira de Pera obriga a evacuação da praia e ameaça habitações

Um incêndio na localidade de Ameal, em Castanheira de Pera, obrigou à evacuação da praia das Rocas e está a ameaçar algumas habitações, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria e o município.

Na página da Autoridade de Proteção Civil (ANPC), o incêndio já chegou a ser considerado em fase de resolução, mas pouco depois o fogo voltou a estar ativo e as chamas ameaçavam habitações às 17:30, disse à Lusa o responsável do CDOS, Sérgio Gomes.

O presidente da Câmara de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, explicou à agência Lusa que "foi necessária a evacuação da praia das Rocas para a movimentação de meios para aquele local".

O autarca referiu ainda que várias casas têm estado ameaçadas pelas chamas.

"A minha própria casa já esteve em risco. Durante a madrugada e há pouco também houve habitações ameaçadas, mas, felizmente, tem sido sempre possível controlar o incêndio. Não tenho conhecimento, até ao momento, de alguma casa ardida", acrescentou.

Fernando Lopes evidenciou ainda que no local "há muito calor e vento" e "várias frentes ativas": "É um pandemónio."

Segundo a Proteção Civil, às 17:55 o fogo estava a ser combatido por 168 operacionais, 50 meios terrestres e um meio aéreo.

Durante a manhã, um homem foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeita de ter ateado, na noite de segunda-feira, o incêndio florestal que está a lavrar no concelho de Castanheira de Pera.

O suspeito terá lançado o fogo, com recurso a chama direta, perto das 24:00 de segunda-feira, 08 de agosto.

O detido, com 67 anos de idade, casado e reformado, "vai ser presente às autoridades judiciárias competentes para primeiro interrogatório" e "aplicação das medidas de coação tidas por adequadas", refere a nota da polícia.

Este ano, a Polícia Judiciária já identificou e deteve 24 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.