sicnot

Perfil

País

Força Especial vai ser enviada para o Funchal

GREG\303\223RIO CUNHA

A Força Especial de combate a incêndios vai ser enviada para o Funchal, na sequência do incêndio que começou esta segunda-feira na Madeira. As chamas obrigaram à evacuação de dois hospitais e várias casas. A força de combate é constituída por bombeiros, elementos da GNR e INEM.

As chamas deflagraram na tarde de segunda-feira nas zonas altas do Funchal, em São Roque, pelas 15:30, mas surgiram entretanto novos focos noutros concelhos da costa sul da ilha da Madeira.

O cenário de incêndios registados esta terça-feira no Funchal, Madeira, complicou-se a partir das 18:00, devido ao aumento da intensidade do vento e à alteração da sua direção, havendo algumas zonas com "fogo descontrolado", disse o presidente da câmara, Paulo Cafôfo.

Num balanço das operações, por volta das 19:00, o autarca indicou que a situação se agravou nas Barbosas e no Curral dos Romeiros, na zona alta do concelho.

"Neste momento o fogo está descontrolado nestas zonas", afirmou, referindo que nestes locais há pessoas a serem retiradas de casa.

Também as zonas da Choupana, do Hospital João de Almada e de Santa Luzia geram preocupação entre as autoridades.

Os bombeiros estão no local a evitar que um tanque de gás seja atingido.

Na zona da Choupana, um hotel foi também evacuado.

Com Lusa

  • Evacuado Hospital Dr. João de Almada no Funchal
    2:05

    País

    O Hospital Dr. João de Almada no Funchal está a ser evacuado. A jornalista do Expresso Marta Caires explica a situação que está a ser vivida neste momento no Funchal, onde o vento forte agravou o incêndio que começou esta segunda-feira. Segundo a jornalista, as chamas estão muito perto do hospital. Até ao momento foram evacuados 234 doentes.

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.