sicnot

Perfil

País

GNR já deteve sete pessoas por suspeita de crime de incêndio

A Guarda Nacional Republicana (GNR) já deteve sete pessoas por suspeitas de crime de incêndio, desde o início do ano, e identificou outras 276 pelo mesmo crime, anunciou.

Em comunicado, a GNR revela que, desde o início do ano e até ao dia 7 de agosto, e relativamente ao crime de incêndio, elaborou 1.534 autos de notícia, identificou 276 pessoas, deteve sete e passou 753 autos de contraordenação.

Dentro destes 753 autos de contraordenação, a maioria diziam respeito à gestão de combustíveis nas faixas junto a edificações, 24% sobre gestão de combustíveis na rede viária, 24% por causa de queima de amontoadas ou sobrantes de exploração, além de 12% por causa de queimadas sem licença.

De acordo com a GNR, em 2014 foram elaborados 2.421 autos de contraordenação, aumentando para os 2.619 em 2015.

A autoridade policial aproveita para apelar a todas as pessoas para não praticarem atividades consideradas de risco, "como a realização de fogo junto a áreas florestais, e fornecendo informações aos militares da GNR de atividades que levem à ocorrência de incêndios, que fazem perigar a vida de muitas pessoas e colocar em causa o património de muitas mais".

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.