sicnot

Perfil

País

Mais de 30 concelhos em risco máximo de incêndio

O incêndio que começou no concelho de Arouca passou para Vale de Cambra, Aveiro, 8 de Agosto de 2016. Desde sábado ao final da tarde lavra no concelho de Arouca, no distrito de Aveiro, um fogo que conta com 267 operacionais, apoiados por 87 meios terrestres e dois aéreos. As chamas alastraram-se entretanto ao município de Vale de Cambra.

OCTAVIO PASSOS

Trinta e três concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Coimbra, Guarda, Castelo Branco, Coimbra, Viseu, Porto, Vila Real e Braga apresentam hoje risco 'Máximo' de incêndio, segundo o Instituto do Mar e da Atmosfera.

Os concelhos de Monchique (Faro), Mação, Sardoal (Santarém), Oleiros, Vila de Rei, Sertã (Castelo Branco), Pampilhosa da Serra, Góis, Oliveira do Hospital (Coimbra), Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Miranda do Corvo (Coimbra), Guarda, Sabugal, Gouveia, Celorico da Beira, Trancoso, Fornos de Algodres e Aguiar da Beira (Guarda) estão hoje em risco 'Máximo' de incêndio, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Estão também em risco 'Máximo' de incêndio os concelhos de Moimenta da Beira, Vila Nova de Paiva, Castro Daire, São Pedro do Sul e Marco de Canaveses (Viseu), Arouca, Castelo de Paiva (Aveiro), Baião e Valongo (Porto), Vila Pouca de Aguiar, Ribeira de Pena (Vila Real), Cabeceiras de Basto e Póvoa do Lanhoso (Braga).

O Instituto colocou também em risco 'Muito Elevado' e 'Elevado' de incêndio vários concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre 'Reduzido' e 'Máximo'.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia, relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo, aumentando temporariamente a nebulosidade durante a tarde nas regiões do interior, vento fraco, tornando-se moderado de noroeste a partir do final da manhã, e por vezes forte e com rajadas até 60 quilómetros por hora no litoral oeste, sendo temporariamente de sudoeste na costa sul do Algarve.

Nas terras altas do Norte e Centro, prevê-se vento fraco a moderado de nordeste, soprando moderado a forte até ao início da manhã e a partir do meio da tarde.

Está também previsto pequena descida da temperatura mínima no litoral norte e centro, descida da temperatura máxima, mais significativa nas regiões norte e centro, e que será acentuada no litoral a norte do cabo Raso.

Na Madeira prevê-se tempo quente com períodos de céu muito nublado, em especial por nuvens médias e altas, vento moderado a forte de nordeste com rajadas até 75 quilómetros por hora soprando forte a muito forte com rajadas até 95 quilómetros por hora nas zonas montanhosas e pequena subida da temperatura mínima.

Para os Açores a previsão aponta para céu geralmente pouco nublado e vento nordeste bonançoso a moderado.

No que diz respeito às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 23 e 35 graus Celsius, no Porto entre 20 e 30, em Braga entre 18 e 34, em Viana do Castelo entre 20 e 31, em Vila Real entre 20 e 33, em Viseu entre 20 e 35, em Bragança entre 17 e 31, na Guarda entre 18 e 30, em Coimbra entre 19 e 34, em Castelo Branco entre 24 e 37, em Portalegre entre 23 e 37, em Santarém entre 20 e 39, em Évora entre 19 e 40, em Beja entre 21 e 39, em Faro entre 22 e 33, no Funchal entre 28 e 35, em Ponta Delgada e Santa Cruz das Flores entre 21 e 27 e na Horta entre 22 e 27.

Lusa

  • Vento e calor dificultam combate às chamas em Rio Torto
    2:12

    País

    Em Gouveia, o incêndio que mantêm os bombeiros em alerta máximo desde ontem, ameaçou as casas da aldeia de Rio Torto. A estrada que atravessa a povoação chegou a ser cortada e perderam-se várias culturas. O vento e o calor têm sido a principal dificuldade dos bombeiros. A origem do fogo é por enquanto desconhecida, mas o presidente da câmara fala em mão criminosa.

  • Três fogos ativos na Madeira preocupam os bombeiros
    0:43

    País

    Na Madeira, há três fogos ativos que estão a preocupar os bombeiros. Um no Funchal e os outros nas freguesias dos Canhas e do Campanário. Sessenta e cinco pessoas foram retiradas das suas residências e algumas tiveram de receber assistência hospitalar. A secretária Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal diz que o vento forte é o responsável pelo alastrar das chamas e a falta de água é um problema para os bombeiros.

  • Incêndio em Barcelos obriga ao corte da nacional 103
    2:47

    País

    O incêndio em Barcelos está ativo há mais de 24 horas e já alastrou a seis freguesias. As chamas chegaram mesmo perto das casas na freguesia de Vila da Cova, mas nenhuma foi afetada pelo fogo. As chamas obrigaram ao corte da estrada nacional 103.

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.