sicnot

Perfil

País

Ministério quer AEC no 1.º ciclo sem TPC ou avaliação

O Ministério da Educação avisou as escolas que as atividades de enriquecimento curricular (AEC) no 1.º ciclo devem ser "eminentemente lúdicas" e sem avaliação.

Em comunicado, o Ministério da Educação indicou esta terça-feira que enviou às escolas orientações para as entidades que promovem as AEC, atividades de frequência não obrigatória, no sentido de evitar que sejam "um prolongamento de atividades formais de ensino".

"Pretende-se que as AEC não constituam mais horas de ensino formal, aliviando-se a carga horário de atividades letivas dos alunos no 1.º ciclo, dando espaço a atividades que cumpram as expectativas das crianças e a da sua formação integral", indica o Governo.

Além de "não constituírem objeto de avaliação sumativa" as AEC não devem marcar trabalhos de casa (TPC).

Entre as orientações estabelecidas, o Ministério diz que as AEC devem "privilegiar a avaliação formativa e participativa, rejeitando avaliações estandardizadas dos alunos, com recurso a testes, provas e a classificações quantitativas".

Na planificação das AEC devem ser privilegiadas atividades que valorizem as expressões culturais locais e deve ser dada oportunidade aos alunos de escolher livremente entre diferentes atividades ou projeto.

"O Ministério da Educação pretende assim valorizar as aprendizagens não-formais na formação dos alunos, rejeitando a excessiva carga horária letiva como um benefício da aprendizagem e garantindo que esta carga letiva é adequada à idade das crianças", indica a nota divulgada.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.