sicnot

Perfil

País

PCP vai priorizar no Parlamento incêndios em detrimento das viagens pagas pela Galp

O PCP anunciou que quer dar prioridade à questão dos incêndios na conferência de líderes de quinta-feira, em detrimento do pedido do CDS para ouvir o Governo sobre viagens de secretários de Estado oferecidas pela Galp.

O grupo parlamentar do CDS-PP tinha requerido uma reunião extraordinária, agendada para as 18:00 de quinta-feira, a fim de formalizar uma audição ao Governo sobre as deslocações de três secretários de Estado para ver jogos de futebol do Europeu França2016 à custa daquela empresa energética portuguesa.

"Vamos propor encontrar uma forma muito ágil de obter do Governo um ponto de situação sobre os fogos florestais e esta situação no Funchal, muitíssimo grave. Uma reunião muito urgente, que ultrapasse os prazos formais de convocatória, com a Administração Interna, seja a ministra ou o secretário Estado. O ideal seria ainda esta semana, com deputados de todos os partidos, possivelmente sexta-feira", disse à Lusa o deputado comunista António Filipe.

Entretanto, o primeiro-ministro, António Costa, ao início da noite desta terça-feira na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil, em Lisboa, anunciou o envio de uma força para ajudar no combate aos incêndios na Madeira, com 36 operacionais, entre bombeiros, elementos da GNR e do INEM.

Relativamente ao assunto invocado pelos democratas-cristãos, o parlamentar do PCP considerou não haver "razão para alterar a data prevista para reunião da comissão permanente do parlamento (08 setembro), embora reiterando a "posição crítica" do seu partido sobre o facto de membros do executivo socialista terem viajado através de ofertas da Galp.

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que liderou o elenco socialista nas férias do primeiro-ministro, considerara já o caso "encerrado" com o reembolso das despesas efetuadas àquele patrocinador oficial da seleção portuguesa de futebol.

Os secretários de Estado em causa são dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, da Indústria, João Vasconcelos, e da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, que assistiram a jogos da "equipa das quinas" no certame gaulês, entre 10 de junho e 10 de julho.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.