sicnot

Perfil

País

Proteção Civil alerta para condições "extremamente adversas" nos próximos dias

O comandante operacional nacional da Proteção Civil, José Manuel Moura, alertou esta terça-feira para "situações extremamente adversas" para os próximos dias, quanto a incêndios, estando o país em estado de alerta laranja até final da próxima semana.

Num balanço na Autoridade Nacional da Proteção Civil (APNC), em Lisboa, o responsável disse que "não há tendência para que o risco seja amenizado", devido às previsões de vento forte, na quarta-feira, em especial nas zonas norte e centro, e de nova subida de temperatura, a partir desse dia.

A situação em termos de incêndios, disse José Manuel Moura, assemelha-se a 2003 e 2013, dois dos piores anos neste século. Os últimos três dias, explicou, foram de "dificuldade extrema".

Dias como o de domingo e segunda-feira tiveram mais de 400 ocorrências e foram de "dificuldade extrema" no combate a incêndios, ainda que tenha sido acionado o alerta amarelo, no passado sábado, com mais um "conjunto significativo de elementos" e grupos de ataque ampliados.

A zona mais afetada pelas chamas foi até agora o norte do país. Segundo José Manuel Moura, no sábado, Porto e Braga tiveram quase metade dos incêndios, quando o estado de alerta foi agravado para laranja e se registou o maior número de ocorrências num só dia, 455, com o envolvimento de mais de 11 mil operacionais no combate às chamas, auxiliados por mais de 300 viaturas.

Na segunda-feira (com mais de 400 ocorrências, especialmente em distritos como Porto, Braga e Viana do Castelo) foi prolongado o estado de alerta e mobilizados novos grupos de ataque em vários distritos, e hoje foi decidido prolongar o estado de alerta até dia 20.

Nos combates aos incêndios estão mobilizados ainda 18 pelotões militares e estão a ser utilizadas cinco máquinas de arrasto. Até agora foram acionados dois planos distritais de emergência e três municipais.

José Manuel Moura fazia o ponto de situação após uma reunião com o primeiro-ministro e com a ministra e o secretário de Estado da Administração Interna, na qual António Costa se inteirou da situação, no continente e na Madeira.

O comandante operacional mostrou-se "seriamente preocupado", essencialmente com as previsões de vento forte, já a partir da próxima madrugada, com rajadas que podem ir até 60 quilómetros por hora, "atravessando áreas afetadas por incêndios florestais".

Depois de um dia de vento, as previsões indicam novo aumento das temperaturas, pelo menos até final da próxima semana.

Ao início da noite de hoje havia 149 incêndios, que estavam a ser combatidos por mais de quatro mil bombeiros. Porto e Viana do Castelo eram os distritos mais afetados.

Lusa

  • Mais de 300 pessoas retiradas das suas casas no Funchal
    3:12

    País

    O incêndio no Funchal agravou-se durante a noite. Neste momento, o cenário na Madeira é devastador: centenas de casas destruídas e estradas cortadas. Mais de 300 pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas. O plano de emergência regional já foi ativado. Segundo as autoridades, foi fogo posto e já prenderam o suspeito.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.