sicnot

Perfil

País

Acionados planos de emergência distrital de Aveiro e municipal da Mealhada

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Aveiro ativou, esta quarta-feira à tarde, o Plano de Emergência, face ao "elevado número" de incêndios que estão a lavrar no distrito.

O anúncio foi feito pela Câmara da Mealhada, numa nota enviada ao final da tarde à agência Lusa, na qual também refere que o Plano de Emergência Municipal neste concelho foi ativado durante a manhã.

A Mealhada é um dos 19 municípios do distrito de Aveiro e, tal como Anadia, Águeda, Albergaria-a-Velha, Arouca, Castelo de Paiva e Santa Maria da Feira, tem sido das zonas mais atingidas pelos incêndios florestais, nas últimas horas.

De acordo com a página da Proteção Civil, lavravam no distrito, pelas 19:30, 18 fogos, cinco dos quais classificados como "ocorrências importantes", mobilizando um total de mais de 1.100 operacionais, apoiados por cerca de três centenas e meia de meios terrestres e oito meios aéreos.

A Comissão Distrital decidiu ativar o Plano de Emergência "tendo em conta o elevado número de ocorrências e o total empenhamento do dispositivo operacional do distrito, estando praticamente esgotadas as suas capacidades de combate e rendição", bem como a "previsível manutenção das condições meteorológicas adversas", explica aquela entidade, citada pela Câmara da Mealhada.

Por seu lado, o município "acionou, na manhã de hoje, o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil dada a gravidade dos incêndios que assolaram o concelho, ameaçando, ainda ao final da tarde, habitações em diversos pontos, nomeadamente nas aldeias de Várzeas e Catraia".

"Ao final da tarde, viveu-se um cenário 'dantesco'", sublinha o presidente da Câmara da Mealhada, Rui Marqueiro, citado na nota.

O responsável refere que se está a dar "o máximo dos máximos para acudir às situações mais graves" e que há cinco casas prontas para receber eventuais desalojados.

"Também está em marcha um plano para dar apoio logístico aos bombeiros de fora do concelho que vêm reforçar o combate às chamas, sendo a base deste centro a Escola Profissional Vasconcellos Lebre", na Mealhada, acrescenta a Câmara.

O Hospital da Misericórdia da Mealhada estará, entretanto, "aberto toda a noite" desta quarta-feira, "em função das diversas ocorrências de incêndios registados no concelho", informa uma nota deste estabelecimento.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.