sicnot

Perfil

País

Arouca evacua passadiços do Paiva face a ameaça das chamas

A Câmara Municipal de Arouca está a retirar os cerca de 1500 visitantes que esta tarde circulavam pelos passadiços do Paiva para prevenir eventuais complicações devido ao "risco moderado" de essa estrutura ser ameaçada pelo incêndio nesse concelho.

Em declarações à Lusa, o presidente da autarquia justifica a medida com o facto de o incêndio combatido por mais de 200 bombeiros nas localidades de Janarde e Covelo de Paivó "ter galgado a margem direita do rio Paivó e estar agora no lado esquerdo", mais próximo do passadiço.

"O risco é apenas moderado, mas decidimos retirar as pessoas por uma questão de máxima precaução", afirma José Artur Neves. "Os técnicos dos nossos serviços e as forças de segurança já não deixam entrar mais ninguém e estão a retirar as pessoas que estão no passadiço, que serão umas 1500 nesta altura", acrescenta.

Segundo indicava o site da Autoridade Nacional da Proteção Civil às 15:20, o incêndio de Janarde e Covelo de Paivó, que deflagrou na segunda-feira à tarde, ainda está a ser combatido por 213 bombeiros, apoiados por 49 viaturas.

"A situação está má, incontrolável. Não podemos mesmo facilitar", realça José Artur Neves.

Quanto aos visitantes retirados do passadiço do Paiva, cujo acesso implica reserva prévia e o pagamento de 1 euro por pessoa, o autarca adianta que "a Câmara dará oportunidade a todas essas pessoas de concretizarem o passeio noutra altura, sem quaisquer custos".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.