sicnot

Perfil

País

Automobilista que deu origem a incêndio com pneu rebentado vai ser julgado

(Arquivo)

ESTELA SILVA

O automobilista detido pela GNR por crime de incêndio, em Ponte de Sor e Alter do Chão, Portalegre, vai ser julgado, em processo sumário, no dia 18 deste mês, revelou hoje à agência Lusa fonte judicial.

De acordo com a mesma fonte, o arguido, de 60 anos, detido na terça-feira quando conduzia alcoolizado uma carrinha, com uma jante a roçar no asfalto, provocando cerca de 30 focos de incêndio, vai ser julgado no Tribunal de Ponte de Sor, concelho onde terá começado a prática do crime.

A GNR tem indícios de que o fogo de grandes dimensões que na terça-feira deflagrou em Ponte de Sor e se propagou para o concelho vizinho de Alter do Chão, no distrito de Portalegre, teve origem no reacendimento de um dos focos de incêndio, disse à Lusa fonte da Guarda.

Depois de detido, o homem foi presente à procuradora de turno, em Portalegre, requereu prazo para defesa e o julgamento sumário foi adiado para o dia 18 deste mês na Instância Local de Ponte de Sor.

O homem ficado sujeito a termo de identidade e residência (TIR).

A fonte da GNR explicou à Lusa que em causa está uma carrinha de caixa aberta, conduzida pelo homem, alcoolizado, que circulava na manhã de terça-feira, numa estrada entre Ponte de Sor e Alter do Chão, com o pneu dianteiro direito rebentado e com a jante, quase derretida, em contacto com o asfalto.

Projetadas para a berma da estrada, as faíscas provocadas pela jante a roçar no asfalto, ao longo de cerca de 20 quilómetros, originaram perto de 30 pequenos focos de incêndio, alguns dos quais obrigaram à intervenção dos bombeiros, relatou a mesma fonte.

A GNR suspeita que o reacendimento de um dos focos de incêndio estará na origem do fogo que deflagrou depois, cerca das 15:00 de terça-feira, em Ponte de Sor, e que só foi dominado quase cinco horas depois.

Segundo a mesma fonte, a carrinha foi intercetada pela Guarda, alertada por outros condutores para a situação, quando circulava na Estrada Nacional (EN) 119, no sentido Ponte de Sor-Alter do Chão, entre Vale de Açor e o cruzamento para Chança, zona onde deflagrou o incêndio de grandes dimensões.

Fiscalizado pela GNR, o condutor, que reside na zona da Grande Lisboa e se deslocou ao Alentejo em lazer, foi submetido ao teste de alcoolemia, acusando uma taxa de álcool no sangue de 2,3 gramas por litro, enquadrada legalmente como crime.

Durante as operações de combate às chamas, um bombeiro recebeu assistência devido a intoxicação, por inalação de fumo, e foram cortadas temporariamente as estradas nacionais 119 e 537, indicou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre.

O combate ao fogo, que deflagrou na zona de Vale de Açor, concelho de Ponte de Sor, na zona limítrofe com o município vizinho de Alter do Chão, mobilizou um total de 155 operacionais, com o apoio de 52 viaturas e um helicóptero.

Segundo os bombeiros, o incêndio, que chegou a ter duas frentes ativas, destruiu uma área agroflorestal, com olival, pasto, vinhas e montado, ainda por calcular.

Durante esta quarta-feira, cerca de 60 bombeiros, com o apoio de 14 viaturas, continuaram no local para combater pequenas reativações, referiu a fonte.

Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC