sicnot

Perfil

País

Capital do Móvel em Paços de Ferreira doa metade da bilheteira aos bombeiros

(arquivo)

NUNO ANDRÉ FERREIRA / LUSA

A Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF) vai doar à Liga dos Bombeiros Portugueses metade das receitas da bilheteira da Capital do Móvel - Feira de Mobiliário e Decoração, revelou à Lusa fonte da direção.

A mesma fonte adiantou ainda que alguns empresários do concelho de Paços de Ferreira estão a organizar-se para doar mobiliário a quem "viu as suas casas destruídas" pelos incêndios.

A Capital do Móvel - Feira de Mobiliário e Decoração, considerada uma das maiores feiras de mobiliário do país, chegando, segundo a AEPF, a receber cerca de 20 mil visitantes e com um custo de entrada de dois euros, decorre de 06 a 15 de agosto e agregar mais de 70 expositores.

"Queremos ajudar os heróis e heroínas que todos os dias arriscam a própria vida para salvar pessoas, animais, casas e empresas, entre outros. Assim, a direção da AEPF decidiu doar à Liga dos Bombeiros Portugueses metade das receitas de bilheteira obtidas até ao encerramento da Capital do Móvel - Feira de Mobiliário e Decoração, o que acontece a 15 de agosto", explicou a dita fonte.

Desta forma, os empresários do móvel querem demonstrar que "não ficaram indiferentes ao drama dos incêndios que assola Portugal".

Por isso, além de metade das receitas de bilheteira daquele certame, a AEPF vai reunir com as "entidades competentes" no sentido de "avaliar" quais as zonas mais afetadas pelos incêndios.

"Isto porque alguns dos nossos associados estão a organizar-se para doar móveis a quem teve as casas destruídas pelo fogo", explicou a dita fonte.

A AEPF vai também instalar um ponto de recolha de água, leite, fruta fresca e barras de cereais, que depois irá entregar nos quartéis de bombeiros do concelho de Paços de Ferreira.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14