sicnot

Perfil

País

Chamas aproximam-se do complexo do Nacional, na Choupana

Os incêndios que estão a assolar a Madeira nas últimas 48 horas estiveram hoje muito próximo da Cidade Desportiva do Nacional, na Choupana.

Apesar de as chamas não terem ainda desaparecido, o perigo já não é tão iminente, mas os ventos mudam de direção constantemente, o que não tranquiliza em nada o emblema da I Liga portuguesa de futebol.

"Há pouco, as coisas estiveram feias, mas agora as coisas parecem estar mais controladas", disse à agência Lusa Saturnino Sousa, diretor de comunicação do clube madeirense.

Saturnino Sousa acrescentou que a situação vai ser avaliada "nas próximas horas, sobretudo as condutas de água", importantes para a realização do jogo de domingo, com o Desportivo de Chaves, da primeira jornada da I Liga, marcado para as 16h00, no Estádio da Madeira.

Colocada a questão de um possível adiamento do jogo com os flavienses, este responsável foi taxativo: "Esse é um cenário que não se coloca neste momento, porque irá depender de vários fatores", adiantou Saturnino Sousa.

Refira-se que a equipa de futebol do Nacional treinou esta manhã na Camacha, dada a impossibilidade de o fazer no seu complexo desportivo.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.