sicnot

Perfil

País

Chamas aproximam-se do complexo do Nacional, na Choupana

Os incêndios que estão a assolar a Madeira nas últimas 48 horas estiveram hoje muito próximo da Cidade Desportiva do Nacional, na Choupana.

Apesar de as chamas não terem ainda desaparecido, o perigo já não é tão iminente, mas os ventos mudam de direção constantemente, o que não tranquiliza em nada o emblema da I Liga portuguesa de futebol.

"Há pouco, as coisas estiveram feias, mas agora as coisas parecem estar mais controladas", disse à agência Lusa Saturnino Sousa, diretor de comunicação do clube madeirense.

Saturnino Sousa acrescentou que a situação vai ser avaliada "nas próximas horas, sobretudo as condutas de água", importantes para a realização do jogo de domingo, com o Desportivo de Chaves, da primeira jornada da I Liga, marcado para as 16h00, no Estádio da Madeira.

Colocada a questão de um possível adiamento do jogo com os flavienses, este responsável foi taxativo: "Esse é um cenário que não se coloca neste momento, porque irá depender de vários fatores", adiantou Saturnino Sousa.

Refira-se que a equipa de futebol do Nacional treinou esta manhã na Camacha, dada a impossibilidade de o fazer no seu complexo desportivo.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18