sicnot

Perfil

País

Chamas aproximam-se do complexo do Nacional, na Choupana

Os incêndios que estão a assolar a Madeira nas últimas 48 horas estiveram hoje muito próximo da Cidade Desportiva do Nacional, na Choupana.

Apesar de as chamas não terem ainda desaparecido, o perigo já não é tão iminente, mas os ventos mudam de direção constantemente, o que não tranquiliza em nada o emblema da I Liga portuguesa de futebol.

"Há pouco, as coisas estiveram feias, mas agora as coisas parecem estar mais controladas", disse à agência Lusa Saturnino Sousa, diretor de comunicação do clube madeirense.

Saturnino Sousa acrescentou que a situação vai ser avaliada "nas próximas horas, sobretudo as condutas de água", importantes para a realização do jogo de domingo, com o Desportivo de Chaves, da primeira jornada da I Liga, marcado para as 16h00, no Estádio da Madeira.

Colocada a questão de um possível adiamento do jogo com os flavienses, este responsável foi taxativo: "Esse é um cenário que não se coloca neste momento, porque irá depender de vários fatores", adiantou Saturnino Sousa.

Refira-se que a equipa de futebol do Nacional treinou esta manhã na Camacha, dada a impossibilidade de o fazer no seu complexo desportivo.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41