sicnot

Perfil

País

Fogos na Calheta continuam ativos mas "não estão descontrolados"

O concelho da Calheta está hoje à tarde a ser afetado por vários focos de incêndios, sendo a freguesia do Estreito da Calheta a zona que implica a maior concentração de bombeiros, informou o presidente do município, Carlos Teles.

O incêndio de maior dimensão ocorre na freguesia do Estreito da Calheta, perto do parque empresarial, na zona oeste da ilha da Madeira, mas, segundo o presidente da câmara, os fogos "não estão descontrolados". Há outro incêndio na Zona do Pinheiro (Arco da Calheta).

"Os bombeiros estão a combater os fogos e a salvaguardar as habitações", disse Carlos Teles, acrescentando que noutras zonas que arderam na terça-feira estão corporações para controlar eventuais reacendimentos ou propagações.

No concelho estão destacados cerca de meia centena de operacionais, dos quais 27 do concelho da Calheta e os restantes vindos dos Açores.

O executivo alertou ainda para o facto de alguns sítios se encontrarem sem luz, estando uma empresa de eletricidade no local a trabalhar para inverter essa situação.

Há ainda a possibilidade de as pessoas ficarem sem água.

"Apelo às pessoas para a contenção no consumo de água" sublinhou.

Relativamente ao Engenho Novo da Madeira na Calheta, onde há 200 mil litros de aguardente, o presidente do município disse estar salvaguardado.

Os incêndios que deflagraram na tarde de segunda-feira nas serras da Madeira, com focos de grandes dimensões no concelho do Funchal e em outros concelhos da ilha, provocaram três vítimas mortais na zona da Pena (Santa Luzia), dezenas de casas destruídas e avultados prejuízos materiais. Cerca de mil pessoas tiveram de sair das suas casas.

Os hospitais dos Marmeleiros e João de Almada, os lares de idosos de Santa Isabel e Vale Formoso, as clínicas de Santa Luzia e Santa Catarina, além de centenas de moradias, tiveram de ser evacuados.

A zona histórica de São Pedro, na baixa da cidade, foi uma das áreas onde chegou o fogo, tendo sido necessário retirar hóspedes de uma das unidades hoteleiras.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.