sicnot

Perfil

País

Fogos na Calheta continuam ativos mas "não estão descontrolados"

O concelho da Calheta está hoje à tarde a ser afetado por vários focos de incêndios, sendo a freguesia do Estreito da Calheta a zona que implica a maior concentração de bombeiros, informou o presidente do município, Carlos Teles.

O incêndio de maior dimensão ocorre na freguesia do Estreito da Calheta, perto do parque empresarial, na zona oeste da ilha da Madeira, mas, segundo o presidente da câmara, os fogos "não estão descontrolados". Há outro incêndio na Zona do Pinheiro (Arco da Calheta).

"Os bombeiros estão a combater os fogos e a salvaguardar as habitações", disse Carlos Teles, acrescentando que noutras zonas que arderam na terça-feira estão corporações para controlar eventuais reacendimentos ou propagações.

No concelho estão destacados cerca de meia centena de operacionais, dos quais 27 do concelho da Calheta e os restantes vindos dos Açores.

O executivo alertou ainda para o facto de alguns sítios se encontrarem sem luz, estando uma empresa de eletricidade no local a trabalhar para inverter essa situação.

Há ainda a possibilidade de as pessoas ficarem sem água.

"Apelo às pessoas para a contenção no consumo de água" sublinhou.

Relativamente ao Engenho Novo da Madeira na Calheta, onde há 200 mil litros de aguardente, o presidente do município disse estar salvaguardado.

Os incêndios que deflagraram na tarde de segunda-feira nas serras da Madeira, com focos de grandes dimensões no concelho do Funchal e em outros concelhos da ilha, provocaram três vítimas mortais na zona da Pena (Santa Luzia), dezenas de casas destruídas e avultados prejuízos materiais. Cerca de mil pessoas tiveram de sair das suas casas.

Os hospitais dos Marmeleiros e João de Almada, os lares de idosos de Santa Isabel e Vale Formoso, as clínicas de Santa Luzia e Santa Catarina, além de centenas de moradias, tiveram de ser evacuados.

A zona histórica de São Pedro, na baixa da cidade, foi uma das áreas onde chegou o fogo, tendo sido necessário retirar hóspedes de uma das unidades hoteleiras.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26