sicnot

Perfil

País

Fogos na Madeira ainda não estão extintos, mas situação melhorou

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou esta quarta-feira que os incêndios na ilha ainda não estão extintos, porque existem ainda focos ativos a ser combatidos, embora a situação esteja mais calma.

"Este incêndio não está extinto", declarou o governante madeirense aos jornalistas, no âmbito da visita que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, efetua hoje à Madeira para "dar um abraço de Portugal à ilha".

Segundo o responsável insular, na região ainda existem "focos de incêndio ativos" a ser combatidos por várias corporações de bombeiros, apoiadas mais de uma centena de efetivos enviados de Lisboa e Açores, sublinhando que "a situação está muito melhor".

"Vamos continuar com equipas no terreno e há áreas florestais que ainda estamos no exercício de combate aos fogos, de contenção", complementou.

Questionado sobre a estimativa dos danos provocados pelos incêndios que deflagraram segunda-feira na freguesia de São Roque e se alastraram a diferentes pontos do concelho, Albuquerque disse que o levantamento efetuado de "forma rigorosa", em conjugação com as câmaras municipais das zonas afetadas "no prazo de duas semanas".

O governante insular recusou adiantar valores dos prejuízos causados pelos incêndios, admitindo que "já é elevado", tendo em conta o conjunto de habitações danificadas pelo fogo, acrescentando que, "consoante as finalidades", o executivo madeirense vai "recorrer a um conjunto de financiamentos, onde também os fundos europeus não está colocados fora de questão".

"Vamos ter atuar na área social, de habitação de infraestruturas e recomposição de algumas áreas verdes que foram danificadas, de cobertura florestal e promoção turística", realçou, sublinhando que o pior prejuízo foi a "perda de vida de três pessoas", na noite de terça-feira, na freguesia de Santa Luzia.

Albuquerque rejeitou a possibilidade de a imagem turística da região ser prejudicada por esta situação, sustentando que "houve o cuidado de não circunscrever a questão da Madeira a estes incêndios".

"A Madeira tem um conjunto de oferta turística muito maior do que é esta zona que foi afetada pelos incêndios", vincou, adiantando que "os hotéis continuam a estar cheios" e fez um apelo no sentido de as pessoas ajudarem a ilha ao visitarem a região.

O chefe do executivo madeirense também desvalorizou as críticas sobre o atraso no pedido de ajuda à República para combater o fogo, considerando que esta é "uma questão que não tem sentido", porque "os meios foram acionados em função da situação".

"Estive em contacto com a ministra da Administração interna e logo que foi necessário, em função dos pareceres da Proteção Civil, pedimos de imediato esse reformo e ele foi disponibilizada muito rapidamente", salientou.

Miguel Albuquerque destacou que "houve uma altura em que os fogos estavam praticamente controlados e logo que situação se agravou", tendo as autoridades regionais nessa altura adotado os "mecanismos de intervenção", tendo as forças de apoio para reforçar o combate ao fogo chegado à ilha em menos de 12 horas.

Os incêndios que surgiram na Madeira na passada segunda-feira afetaram sobretudo o concelho do Funchal, provocando três mortos, cerca de mil desalojados provisórios, danos em dezenas de habitações e avultados danos materiais.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.