sicnot

Perfil

País

Fogos na Madeira ainda não estão extintos, mas situação melhorou

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou esta quarta-feira que os incêndios na ilha ainda não estão extintos, porque existem ainda focos ativos a ser combatidos, embora a situação esteja mais calma.

"Este incêndio não está extinto", declarou o governante madeirense aos jornalistas, no âmbito da visita que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, efetua hoje à Madeira para "dar um abraço de Portugal à ilha".

Segundo o responsável insular, na região ainda existem "focos de incêndio ativos" a ser combatidos por várias corporações de bombeiros, apoiadas mais de uma centena de efetivos enviados de Lisboa e Açores, sublinhando que "a situação está muito melhor".

"Vamos continuar com equipas no terreno e há áreas florestais que ainda estamos no exercício de combate aos fogos, de contenção", complementou.

Questionado sobre a estimativa dos danos provocados pelos incêndios que deflagraram segunda-feira na freguesia de São Roque e se alastraram a diferentes pontos do concelho, Albuquerque disse que o levantamento efetuado de "forma rigorosa", em conjugação com as câmaras municipais das zonas afetadas "no prazo de duas semanas".

O governante insular recusou adiantar valores dos prejuízos causados pelos incêndios, admitindo que "já é elevado", tendo em conta o conjunto de habitações danificadas pelo fogo, acrescentando que, "consoante as finalidades", o executivo madeirense vai "recorrer a um conjunto de financiamentos, onde também os fundos europeus não está colocados fora de questão".

"Vamos ter atuar na área social, de habitação de infraestruturas e recomposição de algumas áreas verdes que foram danificadas, de cobertura florestal e promoção turística", realçou, sublinhando que o pior prejuízo foi a "perda de vida de três pessoas", na noite de terça-feira, na freguesia de Santa Luzia.

Albuquerque rejeitou a possibilidade de a imagem turística da região ser prejudicada por esta situação, sustentando que "houve o cuidado de não circunscrever a questão da Madeira a estes incêndios".

"A Madeira tem um conjunto de oferta turística muito maior do que é esta zona que foi afetada pelos incêndios", vincou, adiantando que "os hotéis continuam a estar cheios" e fez um apelo no sentido de as pessoas ajudarem a ilha ao visitarem a região.

O chefe do executivo madeirense também desvalorizou as críticas sobre o atraso no pedido de ajuda à República para combater o fogo, considerando que esta é "uma questão que não tem sentido", porque "os meios foram acionados em função da situação".

"Estive em contacto com a ministra da Administração interna e logo que foi necessário, em função dos pareceres da Proteção Civil, pedimos de imediato esse reformo e ele foi disponibilizada muito rapidamente", salientou.

Miguel Albuquerque destacou que "houve uma altura em que os fogos estavam praticamente controlados e logo que situação se agravou", tendo as autoridades regionais nessa altura adotado os "mecanismos de intervenção", tendo as forças de apoio para reforçar o combate ao fogo chegado à ilha em menos de 12 horas.

Os incêndios que surgiram na Madeira na passada segunda-feira afetaram sobretudo o concelho do Funchal, provocando três mortos, cerca de mil desalojados provisórios, danos em dezenas de habitações e avultados danos materiais.

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.