sicnot

Perfil

País

Idosa morre na sequência de incêndio no Funchal

Uma idosa morreu na sequência dos incêndios que há dois dias afetam o concelho do Funchal, na Madeira, confirmou à Lusa fonte do Governo Regional.

A RTP avançou esta noite que morreu uma mulher que estava acamada numa das habitações afetadas pelo fogo, na zona da Pena, perto do centro da cidade do Funchal, onde na zona histórica arderam pelo menos 37 casas e há dezenas de desalojados.

Terça-feira à noite o fogo desceu à baixa do Funchal, depois de ter deflagrado na tarde de segunda-feira na zona alta, em São Roque e de se ter alastrado a outras áreas. Há também chamas a lavrar noutros concelhos da ilha.

Os incêndios já provocaram centenas de desalojados, dois feridos graves e evacuações de dois hospitais, lares de idosos, alguns hotéis. Há avultados danos materiais.

Muitas dezenas de utentes de vários lares, entre os quais o de Santa Isabel e Vale Formoso, também foram retirados e acolhidos noutras instituições, bem como os pacientes internados em dois hospitais (Marmeleiros e João de Almada).

Vinte estrangeiros de uma das unidades hoteleiras afetadas pelos incêndios no Funchal foram deslocados para o estádio dos Barreiros.

Perto das 24:00 de terça-feira, o presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou que os incêndios no Funchal e noutros pontos da ilha da Madeira não estavam debelados e que a situação era "periclitante".

As elevadas temperaturas e o vento forte têm estado a dificultar as operações de combate às chamas.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.