sicnot

Perfil

País

Mais de 150 casas destruídas pelas chamas na Madeira

O Governo Regional da Madeira informou esta quarta-feira à noite que existem ainda três fogos ativos na ilha e que já estão contabilizadas mais de 150 habitações sem condições de habitabilidade.

No último balanço do dia à situação dos incêndios, a secretária da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, disse que 409 desalojados e deslocados ainda se encontram no Regimento de Guarnição 3, onde esta manhã estavam cerca de 1.000.

"As pessoas estão a voltar às habitações, dentro da normalidade", afirmou, sublinhando que a melhoria nas condições climatéricas, com vento fraco/moderado, facilitou hoje as operações de combate aos incêndios, o mesmo devendo acontecer durante a noite, com a temperatura a baixar dos 35 para os 25 graus.

Os três fogos ativos situam-se em São João Latrão, nas zonas altas de São Gonçalo (Funchal), em Câmara de Lobos e na Calheta (zona oeste da ilha).

"Temos também dois fogos em fase de rescaldo, um situado nas Eiras e outro nas Carreiras (concelho de Santa Cruz, zona leste) e um fogo em vigilância ativa na Ribeira Brava (zona oeste)", explicou.

A governante destacou, por outro lado, o apoio que o executivo tem recebido de várias instituições.

Rubina Leal lembrou ainda que o tempo que se fez sentir na Madeira nos últimos dias foi uma "catástrofe natural", potenciada com mão criminosa, e lembrou hoje foi efetuada a prisão preventiva de um homem suspeito de estar na origem dos fogos.

"Tivemos temperaturas que não se fazem sentir desde 1976 na região autónoma, superiores a 38 graus, tivemos humidade de 10 por cento, tivemos rajadas de vento nas zonas altas superiores a 90 quilómetros/hora", explicou, realçando que este foi o segundo ano de execução do Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais e que os bombeiros estão "devidamente habilitados e com formação constante".

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.