sicnot

Perfil

País

Ministra pede "alguma serenidade" num momento de luta contra as chamas

LUSA

A ministra da Administração Interna pediu esta quarta-feira "alguma serenidade" ao país num momento que é de luta contra os incêndios para que o combate às chamas possa ser eficaz.

"Estamos num momento de luta e, para lutarmos com eficácia, temos de manter agora alguma serenidade. A nossa primeira prioridade é, neste momento, combater estes incêndios e deixar os operacionais no terreno fazerem aquilo que sabem fazer", disse aos jornalistas Constança Urbano de Sousa.

Em declarações na povoação de Moita, à margem de uma visita ao posto de comando do incêndio que lavra em Anadia, distrito de Aveiro, a ministra lembrou que a luta é ainda contra as condições meteorológicas adversas, muito calor e muito vento, reafirmando que o foco "tem de ser o combate a estes incêndios".

A ministra admitiu a possibilidade de se tratar de fogo posto, porque de madrugada "não é o sol seguramente que faz provocar a ignição".

De acordo com segundo comandante distrital operacional de Aveiro, Pinheiro Duarte, em declarações à agência Lusa, estão no terreno a combater este incêndio cerca de 150 operacionais, apoiados meia centena de meios terrestres, dispositivo que foi reforçado ao meio da tarde com dois aviões ligeiros.

Os aviões estão a fazer descargas sobre as chamas que lavram na direção povoação de Salgueiral, uma das duas frentes do fogo (a outra progride no sentido da localidade de Barrô).

A Comissão Municipal de Proteção Civil de Anadia assinou, entretanto, na tarde de hoje, o Plano de Emergência, anunciou a Câmara daquela cidade.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02