sicnot

Perfil

País

Operação normalizada no Aeroporto da Madeira depois do vento forte

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A Aeroportos de Portugal (ANA) informou hoje que a operação no Aeroporto da Madeira, que sofreu alterações devido aos ventos fortes que se registaram nos últimos dois dias na ilha, está normalizada.

"A ANA -- Aeroportos de Portugal informa que a melhoria das condições meteorológicas permitiu a regularização da operação, pelo que o Aeroporto da Madeira já se encontra a operar normalmente", pode ler-se na nota.

No mesmo documento, menciona-se que "as zonas flageladas pelos incêndios que lavram na área do Funchal distam cerca de 15 quilómetro do aeroporto pelo que, em nenhum momento, as infraestruturas aeroportuárias foram afetadas, estando todos os sistemas a operar sem restrições".

A companhia aérea TAP decidiu recorrer a um avião A330 para regularizar a situação dos voos cancelados para a Madeira em virtude dos ventos fortes de terça-feira, disse à Lusa fonte do Aeroporto do Funchal, uma situação que afetou cerca de 800 passageiros.

O porta-voz da TAP adiantou que a situação foi regularizada com o recurso a dois voos da Madeira para Lisboa na manhã de hoje, numa aeronave com capacidade para 230 pessoas.

Os fortes ventos que se sentiram na cidade do Funchal nos últimos dias obrigaram ao cancelamento de vários voos dos aeroportos de Lisboa e do Porto com destino à Madeira, uma situação que não tem qualquer relação com os incêndios que já chegaram ao centro histórico do Funchal e provocaram três vítimas mortais, cerca de mil desalojados provisórios, muitas casas destruídas e avultados danos materiais.

Com Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.