sicnot

Perfil

País

Operação normalizada no Aeroporto da Madeira depois do vento forte

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A Aeroportos de Portugal (ANA) informou hoje que a operação no Aeroporto da Madeira, que sofreu alterações devido aos ventos fortes que se registaram nos últimos dois dias na ilha, está normalizada.

"A ANA -- Aeroportos de Portugal informa que a melhoria das condições meteorológicas permitiu a regularização da operação, pelo que o Aeroporto da Madeira já se encontra a operar normalmente", pode ler-se na nota.

No mesmo documento, menciona-se que "as zonas flageladas pelos incêndios que lavram na área do Funchal distam cerca de 15 quilómetro do aeroporto pelo que, em nenhum momento, as infraestruturas aeroportuárias foram afetadas, estando todos os sistemas a operar sem restrições".

A companhia aérea TAP decidiu recorrer a um avião A330 para regularizar a situação dos voos cancelados para a Madeira em virtude dos ventos fortes de terça-feira, disse à Lusa fonte do Aeroporto do Funchal, uma situação que afetou cerca de 800 passageiros.

O porta-voz da TAP adiantou que a situação foi regularizada com o recurso a dois voos da Madeira para Lisboa na manhã de hoje, numa aeronave com capacidade para 230 pessoas.

Os fortes ventos que se sentiram na cidade do Funchal nos últimos dias obrigaram ao cancelamento de vários voos dos aeroportos de Lisboa e do Porto com destino à Madeira, uma situação que não tem qualquer relação com os incêndios que já chegaram ao centro histórico do Funchal e provocaram três vítimas mortais, cerca de mil desalojados provisórios, muitas casas destruídas e avultados danos materiais.

Com Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".