sicnot

Perfil

País

Parque Ecológico e fronteira com Santa Cruz são focos de preocupação no Funchal

O presidente da Câmara Municipal do Funchal afirmou hoje à tarde que persistem dois cenários complicados de incêndios no concelho nas zonas das Carreiras e do Parque Ecológico, estando no terreno 170 efetivos de diversas corporações.

"Uma [zona] que nos preocupa com maior gravidade é a Estrada das Carreiras", disse Paulo Cafôfo, ao final da tarde, num balanço à situação dos incêndios que deflagraram na segunda-feira nas zonas altas do concelho.

Neste novo foco das Carreiras, o dispositivo de combate está a ser apoiado pela corporação do concelho vizinho a este, Santa Cruz, para tentar estancar o fogo e evitar que se propague para aquele município. Porém, as chamas não estão a ameaçar residências, adiantou o autarca.

Contactado pela Lusa, o presidente do município de Santa Cruz, Filipe Sousa, assegurou que, no território que gere, o fogo está controlado e não ameaça residências.

Outro foco que está a exigir mais esforço no Funchal é a área do Parque Ecológico da cidade, "um fogo que não foi extinto e teve uma progressão lenta".

Estão envolvidos no ataque diversas equipas de bombeiros, elementos daquele espaço e guardas florestais.

Paulo Cafôfo salientou que o parque tem sido "massacrado" pelos incêndios no decorrer dos anos, o que vem afetar o "investimento muito grande" e o trabalho de plantação de árvores, "quase um tricotar da montanha", feito por muitos colaboradores e voluntários.

"Portanto, é algo que estamos a tentar controlar. Temos lá maquinaria para tentar cortar uma zona do fogo, que é uma área que nos preocupa, não tanto por residências, mas pelo valor que tem o parque ecológico e o investimento que tem sido feito na reflorestação e eliminação das plantas infestantes, o que tem sido uma boa política", considerou.

Este, acrescentou, tem sido um trabalho "benéfico no combate ao fogo".

Questionado sobre se o pedido de ajuda ao Governo da República -- concretizado na terça-feira ao início da noite - foi tardio, o autarca respondeu ser um assunto da responsabilidade do comando regional, do Serviço Regional da Proteção Civil.

"Neste momento, o mais importante é que estão cá, estão a dar o seu contributo para ajudar as corporações da região a combater as chamas, nas áreas urbanas e florestal", afirmou.

O responsável do principal município da região mencionou que está a ser feito um levantamento das habitações afetadas pelo fogo, "uma contabilidade e estatística realizadas com o contributo dos presidentes das juntas de freguesia.

"São umas largas dezenas, muito mais do que os números que têm sido avançados", admitiu.

Paulo Cafôfo assegurou haver "articulação" com o Governo Regional no combate a esta situação, opinando que não pode haver nesta matéria "guerras de capelas e em que cada um procura olhar para o seu umbigo".

O objetivo principal, sublinhou, "é a salvaguarda da população e fazer com que o Funchal não continue a arder".

Sobre o número de vítimas mortas, o autarca declarou só poder "confirmar as três na freguesia de Santa Luzia".

Os incêndios no Funchal provocaram também cerca de mil desalojados provisórios, muitas dezenas de habitações danificadas e elevados prejuízos materiais.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.