sicnot

Perfil

País

População e lojistas doam mais de 4000 litros de água aos bombeiros de Arouca

Os Bombeiros Voluntários de Arouca já receberam mais de 4.000 litros de água, leite e sumos, assim como fruta, bolachas e barras de cereais doados por populares e lojistas para ajudar os operacionais que combatem fogos nesse concelho.

O movimento de apoio aos bombeiros começou na terça-feira, quando, a par do incêndio de grandes dimensões que já lavrava em Rossas desde sábado, outro deflagrou em Janarde, envolvendo até hoje o trabalho de mais de 200 operacionais no combate às chamas.

Sérgio Azevedo, bombeiro na corporação local, apresentou hoje à Lusa a lista de donativos acumulados no quartel: "Já nos deram uns 4100 litros de água, uma palete de sumos, leite, muitos quilos de fruta, bolachas e barritas de cereais. Temos que agradecer à população e às empresas por esta dádiva".

Só do supermercado local Cavadinha saíram mais de 1.000 litros de água: "Primeiro oferecemos nós alguma e os bombeiros vinham cá buscá-la, mas depois lembrámo-nos de apelar aos clientes para ajudarem também, recolhemos as ofertas todas e depois passámos a ir nós levar tudo ao quartel nas nossas carrinhas", revela o proprietário do estabelecimento, Henrique Sousa.

Por cada quatro litros de água adquirida no local para oferta aos bombeiros, o supermercado vem assim oferecendo o quinto, sendo que, só hoje, seguiram 375 para o quartel, ao fim da tarde. Embora em menor quantidade, os clientes da casa doaram também leite, sumos e produtos alimentares para o lanche, ao que o supermercado acrescentou, por sua conta, diferentes tipos de fruta.

"É produto que deixamos de vender, mas não estamos a fazer conta ao dinheiro porque não há preço para o que os bombeiros sofrem por nós, para salvar a floresta e a própria comunidade", realça Henrique Sousa.

O supermercado Pingo Doce também tem contribuído para esse stock de bebidas, doando ainda talheres e "gelo em permanência", como refere Sérgio Azevedo. "Vertemos todas as bebidas em caldeiros, adicionamos-lhe o gelo e depois pomo-los nas viaturas, que estão em circuito constante pelos locais dos fogos e assim têm sempre água e sumos frescos para dar aos homens", explica.

Apesar da ideia generalizada de que o leite funcionaria como antídoto do monóxido de carbono inalado através de fumos (o que a Direção Geral de Saúde ainda hoje rejeitou em comunicado), esse produto é o menos aproveitado entre os donativos. "Os bombeiros não gostam muito de leite", admite Sérgio Azevedo. "Não sendo água, preferem sumo, que até ajuda mais a repor energias", defende.

Na logística da acomodação e do transporte desses bens vem colaborando também o Agrupamento de Escuteiros de Arouca, enquanto o pessoal da Escola Secundária local se responsabilizou pela confeção de alimentação mais substancial, nas instalações do próprio estabelecimento de ensino.

"A corporação suporta o custo dos ingredientes, mas são os funcionários da escola que lá têm estado a fazer-nos as refeições estes dias todos", conta Sérgio Azevedo. "A chefe da cozinha ofereceu-se para isso e as outras pessoas foram ajudá-la. Ela é mãe de um bombeiro - sabe bem o que a gente passa", conclui.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.