sicnot

Perfil

País

População e lojistas doam mais de 4000 litros de água aos bombeiros de Arouca

Os Bombeiros Voluntários de Arouca já receberam mais de 4.000 litros de água, leite e sumos, assim como fruta, bolachas e barras de cereais doados por populares e lojistas para ajudar os operacionais que combatem fogos nesse concelho.

O movimento de apoio aos bombeiros começou na terça-feira, quando, a par do incêndio de grandes dimensões que já lavrava em Rossas desde sábado, outro deflagrou em Janarde, envolvendo até hoje o trabalho de mais de 200 operacionais no combate às chamas.

Sérgio Azevedo, bombeiro na corporação local, apresentou hoje à Lusa a lista de donativos acumulados no quartel: "Já nos deram uns 4100 litros de água, uma palete de sumos, leite, muitos quilos de fruta, bolachas e barritas de cereais. Temos que agradecer à população e às empresas por esta dádiva".

Só do supermercado local Cavadinha saíram mais de 1.000 litros de água: "Primeiro oferecemos nós alguma e os bombeiros vinham cá buscá-la, mas depois lembrámo-nos de apelar aos clientes para ajudarem também, recolhemos as ofertas todas e depois passámos a ir nós levar tudo ao quartel nas nossas carrinhas", revela o proprietário do estabelecimento, Henrique Sousa.

Por cada quatro litros de água adquirida no local para oferta aos bombeiros, o supermercado vem assim oferecendo o quinto, sendo que, só hoje, seguiram 375 para o quartel, ao fim da tarde. Embora em menor quantidade, os clientes da casa doaram também leite, sumos e produtos alimentares para o lanche, ao que o supermercado acrescentou, por sua conta, diferentes tipos de fruta.

"É produto que deixamos de vender, mas não estamos a fazer conta ao dinheiro porque não há preço para o que os bombeiros sofrem por nós, para salvar a floresta e a própria comunidade", realça Henrique Sousa.

O supermercado Pingo Doce também tem contribuído para esse stock de bebidas, doando ainda talheres e "gelo em permanência", como refere Sérgio Azevedo. "Vertemos todas as bebidas em caldeiros, adicionamos-lhe o gelo e depois pomo-los nas viaturas, que estão em circuito constante pelos locais dos fogos e assim têm sempre água e sumos frescos para dar aos homens", explica.

Apesar da ideia generalizada de que o leite funcionaria como antídoto do monóxido de carbono inalado através de fumos (o que a Direção Geral de Saúde ainda hoje rejeitou em comunicado), esse produto é o menos aproveitado entre os donativos. "Os bombeiros não gostam muito de leite", admite Sérgio Azevedo. "Não sendo água, preferem sumo, que até ajuda mais a repor energias", defende.

Na logística da acomodação e do transporte desses bens vem colaborando também o Agrupamento de Escuteiros de Arouca, enquanto o pessoal da Escola Secundária local se responsabilizou pela confeção de alimentação mais substancial, nas instalações do próprio estabelecimento de ensino.

"A corporação suporta o custo dos ingredientes, mas são os funcionários da escola que lá têm estado a fazer-nos as refeições estes dias todos", conta Sérgio Azevedo. "A chefe da cozinha ofereceu-se para isso e as outras pessoas foram ajudá-la. Ela é mãe de um bombeiro - sabe bem o que a gente passa", conclui.

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.