sicnot

Perfil

País

Proteção Civil compara este verão aos piores anos de fogos

O Comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) comparou a atual situação climatérica ao registado nos piores anos de incêndios no país, recordando as "más memórias" dos anos de 2003, 2005 e 2012.

"Esta severidade só a vamos encontrar em anos que temos más memórias", lembrou o Comandante Operacional Nacional da ANPC, José Manuel Moura, referindo-se aos anos de 2003, 2005 e 2012, em que se viveram "condições climatéricas muito adversas".

Nos últimos dias, o número de incêndios registados no país ultrapassou sempre as trezentas ocorrências.

Neste momento, "estamos com muitos teatros de operações, todos a requisitar meios e a necessitar de meios", disse o responsável, depois de ter revelado que durante o dia de hoje muitas zonas do norte do país, acima do rio Mondego, continuavam a arder.

A agravar este cenário estão as previsões meteorológicas: a ANPC teme que na madrugada de quinta-feira a situação se agrave já que há previsões de rajadas de ventos na ordem dos 80 ou 90 Km/hora.

"As populações têm de ter um estado de alerta significativo se houver alguma situação de haver necessidade de evacuação", sublinhou o comandante, lembrando que existem situações em que "a velocidade de propagação do vento é de tal ordem que não há condições para fazer o combate".

Nesses momentos, a preocupação máxima de quem está a trabalhar no terreno é "a defesa das pessoas e bens" e "todo o cuidado é pouco", disse.

O agravamento das previsões meteorológicas nos últimos dias levou a que o Governo acionasse o pré-alerta do mecanismo europeu de Proteção Civil, que acabou por ser ativado na terça-feira: "Prevíamos que hoje ia ser um dia particularmente difícil", recordou o comandante durante a conferência de imprensa realizada hoje ao início da noite em Carnaxide.

Portugal solicitou quatro mecanismos de combate e a Itália já disponibilizou um avião Canadair que chega a Portugal esta quinta-feira. "Em 13 anos, esta é a 11.ª vez que o mecanismo é ativado", lembrou.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.