sicnot

Perfil

País

Timor doa 2M€ a Portugal para ajudar no combate aos incêndios

GREGÓRIO CUNHA/LUSA

O Conselho de Ministros de Timor-Leste aprovou a doação de dois milhões de euros a Portugal para apoio no combate aos incêndios que atingem o país e ajuda às vítimas, informou o governo timorense.

Em comunicado, o governo de Timor-Leste precisa que 1.25 milhões de euros se destinam "a apoiar as autoridades portuguesas no combate aos incêndios" e 750 mil euros "são para socorro direto às populações afetadas".

O primeiro-ministro timorense, Rui Maria de Araújo, convocou a reunião extraordinária do Conselho de Ministros, por considerar "alarmante" a situação em Portugal.

O comunicado refere ainda que o primeiro-ministro português, António Costa, "alertou para a dificuldade que o país irá atravessar nos próximos dias, devido às previsões meteorológicas que apontam para vento forte e temperaturas elevadas".

De acordo com a informação disponibilizada pela Autoridade de Proteção Civil às 04h50 na sua página na Internet, cerca de 960 operacionais estão hoje a combater nove incêndios, considerados de maior dimensão, nos distritos de Aveiro, Braga, Guarda, Porto e Viana do Castelo.

Na Madeira, os incêndios que começaram na segunda-feira já provocaram três mortos, dois feridos graves, cerca de mil desalojados e obrigaram a evacuações de dois hospitais, lares de idosos e alguns hotéis.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.