sicnot

Perfil

País

Voos regularizados entre Madeira e continente

A companhia aérea TAP decidiu recorrer a um avião A330 para regularizar a situação dos voos cancelados para a Madeira em virtude dos ventos fortes de terça-feira, disse à Lusa fonte do Aeroporto do Funchal.

Cerca de 800 passageiros que, na terça-feira, continuavam à espera de um voo para aquela região autónoma já partiram para aquela cidade madeirense ou vão fazê-lo o mais tardar na manhã de hoje anunciara já o porta-voz da TAP.

Assim, os passageiros dos dois primeiros voos previstos da Madeira para Lisboa na manhã de hoje viajarão na aeronave com capacidade para 230 pessoas.

O aeroporto do Funchal, situado a 20 quilómetros do centro da cidade, está a funcionar com normalidade e não há qualquer foco de incêndio na sua zona envolvente.

Os fortes ventos que se sentiram na cidade do Funchal nos últimos dias obrigaram ao cancelamento de vários voos dos aeroportos de Lisboa e do Porto com destino à Madeira, uma situação que não tem qualquer relação com os incêndios que já chegaram ao centro histórico do Funchal e destruíram pelo menos 37 imóveis e provocaram dezenas de desalojados.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.