sicnot

Perfil

País

55 milhões de euros em prejuízos no Funchal

​O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, estimou em 55 milhões de euros os prejuízos materiais nos bens privados e públicos no concelho provocados pelos incêndios que deflagraram desde segunda-feira.

O autarca falava na conferência de imprensa para fazer um balanço dos incêndios no Funchal, que consumiram uma área superior a 500 hectares, mencionando que vai apresentar este primeiro levantamento de danos materiais na reunião que terá hoje com o primeiro-ministro, António Costa.

Segundo o responsável, neste primeiro levantamento, feito em conjunto com as juntas de freguesia, existem 208 edifícios públicos e privados afetados pelos fogos no concelho, estando 105 totalmente destruídos e 103 com danos parciais.

"Ainda não está apurada uma freguesia, São Gonçalo, onde ainda há uma frente ativa, São João Latrão", referiu, apontando que a primeira estimativa de custos foi feita por georreferenciação.

"Calculamos que são 32 milhões de euros para a recuperação dos edifícios [privados] afetados", disse Paulo Cafôfo, acrescentando que também se registam estragos em equipamentos e bens do município, como rede de água, estradas, escarpas, Parque Ecológico do Funchal e equipamentos dos bombeiros, avaliados em 23 milhões de euros.

O governante destacou que situações extraordinárias exigem "soluções extraordinárias", pelo que vai pedir ajuda a António Costa em relação à totalidade do valor dos danos.

"E vamos com certeza pedir ajuda ao Governo da República, mas também à União Europeia. Todas as fontes de financiamento e verbas que possam ser canalizadas para a recuperação e para a normalização da vida das pessoas, vamos exigi-las e requerê-las", declarou.

O autarca defendeu que esta ajuda deve ser canalizada "o mais rápido possível", pelo que vai exigir que "haja celeridade e que não se percam nos gabinetes, na burocracia, porque a vida tem de continuar".

Paulo Cafôfo salientou que a situação financeira do município do Funchal "é difícil", pelo que não pode acudir a todas as necessidades decorrentes desta tragédia.

Os incêndios que deflagraram na segunda-feira do Funchal -- e que continuam a afetar a ilha da Madeira - provocaram três vítimas mortais e cerca de mil desalojados provisórios.

Lusa

  • Negligência é a principal causa dos incêndios
    1:32

    País

    A Polícia Judiciária deteve mais dois suspeitos de fogo posto este fim de semana. Ao todo já foram detidas pelo menos 99 pessoas pelas autoridades desde o início do ano, a maioria suspeitas de agirem intencionalmente. Mas desde 1 de janeiro até meados deste mês, dos 8 mil incêndios investigados pela GNR, mais de 3.300 tiveram causa negligente. 

  • Concentração de motos em Góis
    2:28

    País

    Durante este fim de semana, decorre uma das concentrações de motards mais concorridas do país. A organização esperava cerca de 20 mil visitantes em Góis.