sicnot

Perfil

País

Albuquerque volta a rejeitar criticas sobre demora no pedido de reforço de meios na Madeira

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, voltou hoje a rejeitar as críticas de pedido tardio do reforço de meios para o combate aos fogo na Madeira.

"Assumo a responsabilidade como presidente do Governo Regional. Esta é uma responsabilidade que assumo em pleno", declarou o governante madeirense, numa conferência de imprensa após a reunião mantida hoje à tarde com o primeiro-ministro, António Costa, que efetua uma visita à Madeira na sequência dos incêndios que fustigaram a ilha desde segunda-feira.

O líder madeirense tem sido alvo de muitas críticas por ter declarado na terça-feira que a situação dos fogos estava "perfeitamente controlada" e "relativamente controlada", tendo pouco tempo depois acontecido um agravamento do problema e o fogo acabou por "descer à cidade" do Funchal, provocando três mortos, destruindo mais de 150 imóveis e originando centenas de desalojados e deslocados.

Muitas vozes consideraram que o pedido de reforço à Lisboa aconteceu de forma tardia.

"O que se passou é muito simples: Eu falei logo de manhã [terça-feira] com a senhora ministra da Administração Interna" sobre a possibilidade de disponibilizar "o reforço de meios caso fosse necessário", sublinhou o responsável madeirense.

Miguel Albuquerque realçou que "a situação às 16:00 era de controle do fogo a montante", conforme informou na conferência do balanço desse dia.

"Logo que detetamos pelas 16:20/16:30 uma inversão do vento, consoante as recomendações da Proteção Civil, imediatamente, entrei em contacto com o primeiro-ministro e os meios chegaram de madrugada", declarou.

Segundo o presidente do executivo regional, "esta é a situação correta e normal, porque, se a situação se mantivesse estável não tinha qualquer sentido, nem era aconselhável estar a desviar meios para nenhuma situação onde o fogo estava estabilizado, nessa altura, às 16:00 "

Depois do governo do arquipélago da Madeira ter contactado o Governo da República, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) mobilizou 120 operacionais, que se juntaram a 30 dos Açores, para apoio ao combate a incêndios na região autónoma.

Do continente seguiram 30 elementos do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, 40 do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, dez da Força Especial de Bombeiros (FEB), 30 bombeiros voluntários, cinco do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e cinco da ANPC, liderados pelo segundo comandante operacional nacional, adiantou a mesma fonte.

Na conferência de imprensa conjunta com António Costa, que contou com a presença dos presidentes dos quatro municípios madeirenses afetados pelos incêndios [Funchal, Calheta, Porto Moniz e Santa Cruz], Albuquerque referiu que estão a decorrer intervenções para repor a normalidade, sendo prioridade o alojamento das pessoas cujas moradias foram danificadas, por serem "em grande número famílias carenciadas"

Lusa

  • "Queremos, o mais rapidamente possível, voltar à normalidade"
    1:08

    País

    O Presidente do Governo Regional da Madeira fez o primeiro ponto da situação de hoje, no Funchal, esta manhã. De acordo com Miguel Albuquerque, deram entrada nas urgências mais de 300 pessoas. 80 pessoas continuam internadas em diferentes hospitais e, apesar da melhoria do vento, há ainda diversos focos de incêndio ativos que preocupam as autoridades. Albuquerque considera que a situação é grave mas é preciso repor a normalidade na ilha, o quanto antes.

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41