sicnot

Perfil

País

Albuquerque volta a rejeitar criticas sobre demora no pedido de reforço de meios na Madeira

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, voltou hoje a rejeitar as críticas de pedido tardio do reforço de meios para o combate aos fogo na Madeira.

"Assumo a responsabilidade como presidente do Governo Regional. Esta é uma responsabilidade que assumo em pleno", declarou o governante madeirense, numa conferência de imprensa após a reunião mantida hoje à tarde com o primeiro-ministro, António Costa, que efetua uma visita à Madeira na sequência dos incêndios que fustigaram a ilha desde segunda-feira.

O líder madeirense tem sido alvo de muitas críticas por ter declarado na terça-feira que a situação dos fogos estava "perfeitamente controlada" e "relativamente controlada", tendo pouco tempo depois acontecido um agravamento do problema e o fogo acabou por "descer à cidade" do Funchal, provocando três mortos, destruindo mais de 150 imóveis e originando centenas de desalojados e deslocados.

Muitas vozes consideraram que o pedido de reforço à Lisboa aconteceu de forma tardia.

"O que se passou é muito simples: Eu falei logo de manhã [terça-feira] com a senhora ministra da Administração Interna" sobre a possibilidade de disponibilizar "o reforço de meios caso fosse necessário", sublinhou o responsável madeirense.

Miguel Albuquerque realçou que "a situação às 16:00 era de controle do fogo a montante", conforme informou na conferência do balanço desse dia.

"Logo que detetamos pelas 16:20/16:30 uma inversão do vento, consoante as recomendações da Proteção Civil, imediatamente, entrei em contacto com o primeiro-ministro e os meios chegaram de madrugada", declarou.

Segundo o presidente do executivo regional, "esta é a situação correta e normal, porque, se a situação se mantivesse estável não tinha qualquer sentido, nem era aconselhável estar a desviar meios para nenhuma situação onde o fogo estava estabilizado, nessa altura, às 16:00 "

Depois do governo do arquipélago da Madeira ter contactado o Governo da República, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) mobilizou 120 operacionais, que se juntaram a 30 dos Açores, para apoio ao combate a incêndios na região autónoma.

Do continente seguiram 30 elementos do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, 40 do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, dez da Força Especial de Bombeiros (FEB), 30 bombeiros voluntários, cinco do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e cinco da ANPC, liderados pelo segundo comandante operacional nacional, adiantou a mesma fonte.

Na conferência de imprensa conjunta com António Costa, que contou com a presença dos presidentes dos quatro municípios madeirenses afetados pelos incêndios [Funchal, Calheta, Porto Moniz e Santa Cruz], Albuquerque referiu que estão a decorrer intervenções para repor a normalidade, sendo prioridade o alojamento das pessoas cujas moradias foram danificadas, por serem "em grande número famílias carenciadas"

Lusa

  • "Queremos, o mais rapidamente possível, voltar à normalidade"
    1:08

    País

    O Presidente do Governo Regional da Madeira fez o primeiro ponto da situação de hoje, no Funchal, esta manhã. De acordo com Miguel Albuquerque, deram entrada nas urgências mais de 300 pessoas. 80 pessoas continuam internadas em diferentes hospitais e, apesar da melhoria do vento, há ainda diversos focos de incêndio ativos que preocupam as autoridades. Albuquerque considera que a situação é grave mas é preciso repor a normalidade na ilha, o quanto antes.

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.