sicnot

Perfil

País

Bombeiros abrem caminhos para travar propagação do fogo no Funchal

Os bombeiros continuam a combater um foco de incêndio em São João Latrão, no Funchal, recorrendo a máquinas pesadas para limitar a transposição do fogo para as zonas circundantes, segundo fonte do governo regional.

"Estão a ser usadas motosserras para abater algumas árvores, no sentido de criar um caminho para melhor combater o fogo" disse a fonte, acrescentando que no momento, cerca das 09h30, não há casas ameaçadas.

Este foco está ativo desde quarta-feira e chegou a ameaçar casas, na altura, devido às constantes mudanças de direção do vento.

Para evitar que o fogo se propague para outras encostas da serra, estão a ser abertos aceiros, com recurso a retroescavadoras.

No local permanecem bombeiros que vão despejando água nas zonas circundantes às habitações e também o exército mantém posição no local.

O fumo começa a ser uma preocupação, já que devido à ausência de vento, permanece baixo e intenso.

Três pessoas morreram na terça-feira, no Funchal, na sequência de incêndios que deflagraram no concelho na segunda-feira.

O fogo provocou ainda cerca de mil desalojados, entre residentes e turistas, e muitas casas e um hotel foram destruídos pelo fogo.

Os prejuízos materiais são avultados, mas não estão ainda contabilizados.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.