sicnot

Perfil

País

Dominado fogo em Montemor-o-Velho

O incêndio florestal que deflagrou hoje à tarde no concelho de Montemor-o-Velho foi dado como dominado "poucos minutos depois das 23:00", disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra.

As chamas, que deflagraram pelas 16:25, na zona de Morraçã, na freguesia de Tentúgal, concelho de Montemor-o-Velho, distrito de Coimbra, estavam a ser combatidas ao final da tarde de hoje, por cerca de 200 operacionais, apoiados por mais de quatro dezenas de meios terrestres e três meios aéreos.

De acordo com a página da Proteção Civil, o fogo que lavra essencialmente em povoamento florestal, mas também em terrenos de mato e agrícolas, estava a ser combatido, pelas 23:30, por 193 operacionais auxiliados por 48 meios terrestres.

Àquela hora, mantinham-se ativos 151 incêndios no território continental, que mobilizavam, no total, mais de 4.100 operacionais e perto de 1.300 meios terrestres.

Desses incêndios, dez eram considerados pela Proteção Civil como 'ocorrências importantes', cinco dos quais no distrito de Aveiro (Anadia, Águeda, Castelo de Paiva, Arouca e Vale de Cambra), dois no de Viseu (Santa Comba Dão e Viseu), um no de Viana do Castelo (Caminha) e outro no de Vila Real (Montalegre), para além do de Montemor-o-Velho.

Lusa

  • Dominado fogo em Arcos de Valdevez

    País

    O incêndio florestal que teve início na segunda-feira de madrugada em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo, foi esta quinta-feira à noite dado como dominado pela Proteção Civil.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão