sicnot

Perfil

País

Fogo no concelho da Calheta limitado a zona florestal

​O incêndio na freguesia da Calheta, na Madeira, afeta neste momento zonas florestais e está a ser combatido por reforços que chegaram do Funchal e do continente, disse à Lusa o autarca do concelho.

"Estamos neste momento [09h] na freguesia dos Prazeres. O incêndio encontra-se agora numa fase muito melhor do que se encontrava ontem à noite. Neste momento é só um incêndio florestal e já não se encontram habitações em perigo", disse à Lusa Carlos Teles, presidente da Câmara da Calheta.

O autarca sublinhou que o concelho recebeu nas últimas horas reforços da cidade do Funchal e uma equipa da GNR do continente.

"Numa situação destas todos os reforços são poucos mas, de qualquer das maneiras, os homens dos Açores (corporações de bombeiros das ilhas de S. Miguel e da Terceira) deram-nos ontem uma ajuda muito importante e hoje temos aqui estes 52 homens do continente que também são experientes e que nos vão ajudar bastante durante o dia", referiu Carlos Teles.

A Calheta é o maior concelho da Região Autónoma da Madeira, constituído por oito freguesias, numa extensão de 116 quilómetros quadrados.

A zona foi afetada pelo fogo durante as últimas 24 horas mas ainda não é possível contabilizar os estragos, sobretudo o número de casas que foram atingidas pelas chamas.

"Estamos agora fazer esse levantamento e só ao final do dia e que vamos ter esses números. Neste momento, não temos nenhum desalojado. Anteontem à noite chegámos a ter 64 mas entretanto foram regressando às suas casas e também tivemos 50 turistas que estavam instalados numa unidade hoteleira mas foram reencaminhados para outros hotéis no Funchal", especificou o autarca.

Desde segunda-feira que a Madeira sofre uma vaga de incêndios, sendo que no Funchal morreram três pessoas.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15