sicnot

Perfil

País

Governo cria grupo de trabalho para fazer reforma da floresta

LUSA

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse que o Governo decidiu hoje criar um grupo de trabalho para fazer a reforma da floresta, realçando também que o dispositivo de combate a incêndios tem estado a responder "com enorme determinação" aos vários fogos que assolam o país.

"Hoje mesmo o Conselho de Ministros aprovou a criação de um grupo de trabalho, composto pelos ministérios da Agricultura, do Ambiente, da Administração Interna e da Justiça, para tratar, de uma vez por todas, da prevenção estrutural e de fazer a reforma da nossa floresta", disse a Ministra.

A governante falava em Arouca, um concelho do distrito de Aveiro que, desde sábado, tem sido fustigado pelas chamas.

"A nossa prioridade atual é combater estes incêndios e depois pensarmos a sério na reforma da nossa floresta", vincou a ministra, lembrando que há dez anos foi feita uma reforma na proteção civil.

Relativamente ao combate às chamas, Constança Urbano de Sousa garantiu que "o dispositivo de combate a incêndios é robusto, capaz e bem treinado. Ao longo destes anos foi sendo desenvolvido e está adequado para fazer face a grandes fenómenos com alguma severidade", afirmou.

A governante realçou ainda que o dispositivo tem estado a responder "com enorme determinação", apesar de o país estar a atravessa um período "excecional", onde a "severidade meteorológica foi de tal forma excecional que, naturalmente, excede as previsões daquilo que seria razoável".

A ministra saudou também o esforço "absolutamente heroico" de todos os operacionais que estão no terreno no combate aos incêndios.

Com Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.