sicnot

Perfil

País

Governo da Madeira autoriza instituto da habitação a arrendar casas a privados

AP Images

O Governo da Madeira autorizou a Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) a contratar com proprietários privados o arrendamento de casas destinadas a alojar as pessoas que ficaram com as suas habitações danificadas pelos incêndios.

Esta foi uma das deliberações da reunião extraordinária do Conselho do Governo, na quarta-feira, divulgada esta quinta-feira pela secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal.

"O plenário autorizou a IHM a negociar e contratar com proprietários privados o arrendamento de fogos, a dar prioridade a estas situações, sobretudo para recuperação no âmbito do Programa de Recuperação de Imóveis Degradados (Pride), e autorizou a proceder a realojamentos provisórios e urgentes através de arrendamento social", indicou a governante madeirense.

A responsável reafirmou que o executivo regional se comprometeu a apresentar o levantamento exaustivo das situações relacionadas com os incêndios dentro de duas semanas, tendo sido detetadas, numa avaliação provisória, que 150 habitações estão "sem condições de habitabilidade e outras tantas danificadas".

"Hoje vamos iniciar o realojamento das famílias", anunciou, sublinhando que o governo tem a consciência de que este número "poderá aumentar", tendo em conta os contactos mantidos com os presidente das várias juntas de freguesia e o facto de ainda não ter sido possível ter acesso a todos os locais afetados pelo fogo.

Rubina Leal apontou que das cerca de 1.000 pessoas que tiveram de ser realojadas temporariamente em centros de acolhimento, permanecem "mais de 300 distribuídas por vários espaços", entre os quais o Regimento de Guarnição N.º3, no Funchal.

Foram polos de atendimento para apoiar aqueles que estão a ser acolhidos por familiares e conhecidos.

A responsável também avançou que os utentes dos lares de idosos de Santa Isabel e Vale Formoso que foram retirados por precaução vão regressar àqueles espaços na sexta-feira, estando a decorrer as operações de limpeza das instalações.

A transferência dos doentes e utentes dos hospitais dos Marmeleiros e João de Almada, na freguesia do Monte, que foram evacuados, também está a ser preparada pelo Serviço Regional de Saúde da Madeira (Sesaram), indicou.

Falando sobre as formas de ajuda, Rubina Leal mencionou as contas solidárias entretanto abertas, cujas verbas irão para "reconstrução, manutenção e reconversão de equipamentos".

"Grande parte irá para uma conta do IHM", porque o executivo pretende "com toda a transparência mostrar à população e com relatórios específicos onde esses valores foram aplicados".

"Obviamente que o Governo Regional irá com certeza pedir os reforços necessário ao primeiro-ministro", declarou.

A governante apontou que os incêndios provocaram três vítimas mortais e dois feridos graves, havendo a registar esta quinta-feira "o caso de um bombeiro que ficou ferido na zona da Calheta".

A secretária regional apelou ainda aos moradores que não estejam nas casas afetadas para que tomem medidas de segurança para proteger a propriedade.

Os incêndios tiveram início na segunda-feira e esta quinta-feira à tarde persistiam ainda alguns focos na ilha.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.