sicnot

Perfil

País

Populações da Calheta podem ficar sem água potável dentro de 24 horas

Os incêndios na Calheta, na Ilha da Madeira, afetaram o abastecimento das estações de tratamento de água e, por isso, a autarquia apela à população para que a poupe, sob pena de poderem ficar sem água potável.

Os incêndios continuavam ativos esta noite na Calheta, mas já não existem habitações em risco, uma vez que o fogo está concentrado numa zona de vegetação, relatou à Lusa o presidente da Câmara Municipal da Calheta, Carlos Teles, que agora está mais preocupado com a eventual falta de água potável no concelho.

"Por favor, as pessoas não gastem água mais do que a suficiente ou urgente, porque a água está a fazer-nos muita falta e, neste momento, a água potável não está a ser abastecida nas estações de tratamento", apelou o autarca, em declarações à Lusa.

Se a situação se mantiver por mais 24 horas "vamos ter problemas com o abastecimento de água potável", vaticinou Carlos Teles, acrescentando que os mais afetados serão as cerca de 1.500 pessoas que vivem nas freguesias de Prazeres e de Estreito da Calheta.

Às 22:00 de hoje, havia uma frente de incêndio na zona alta da freguesia dos Prazeres, "difícil de controlar", que estava a ser combatida por cerca de 150 homens, apoiados por 14 viaturas e um posto móvel da Proteção Civil.

"Temos muitos meios no terreno", disse Carlos Teles, acrescentando que estão também no local elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da Cruz Vermelha, assim como cinco máquinas escavadoras que esta noite estão a limpar e a alargar alguns caminhos florestais de terra batida.

O autarca garantiu à Lusa que a limpeza dos caminhos florestais é realizada normalmente, mas "a rede de caminhos florestais é muito grande" e a "vegetação muito densa".

O trabalho de alargamento do caminho florestal que hoje está a ser feito "é uma situação de recurso, que alarga também o perímetro de segurança".

"Esta é uma luta inglória", desabafou o autarca, que tem esperança "que a noite ajude", já que as temperaturas estão a descer e a intensidade dos ventos está a diminuir.

Depois de esta semana ter aberto o Pavilhão Gimnodesportivo da Calheta para acolher desalojados e 52 turistas, o autarca já conseguiu fechar o pavilhão e resolver a situação de todas as pessoas -- os turistas foram transferidos para outras unidades hoteleiras.

Quanto aos prejuízos provocados pelos incêndios, Carlos Teles diz que esse é um trabalho que ainda levará alguns dias a estar concluído.

Lusa

  • As novas rotas da TAP em 2017
    1:59

    Economia

    No próximo ano, a TAP vai passar a voar para o Canadá. Além de Toronto, a companhia aérea vai também abrir cinco novas rotas para a Europa e aumentar algumas frequências. Fique a conhecer quais são.

  • Leica: a marca lendária entre os fotógrafos
    5:54