sicnot

Perfil

País

Proteção Civil pede para população seguir as instruções das autoridades

O comandante nacional da Proteção Civil pediu esta quinta-feira à população que siga "rigorosamente" as instruções das autoridades, considerando que o período de incêndios que se está a atravessar é de "gravidade significativa".

"Sigam rigorosamente as instruções das autoridades, nomeadamente através dos seus serviços municipais de proteção civil", recomendou o comandante nacional da Proteção Civil, José Manuel Moura, em declarações aos jornalistas.

José Manuel Moura, que falava no comando operacional da Proteção Civil, em Carnaxide, Lisboa, explicou que toda a informação disponível é transmitida para os respetivos distritos e, destes, para os municípios e para as juntas de freguesia.

Por isso, insistiu, é preciso que as pessoas "sigam rigorosamente" as instruções que são dadas pelas autoridades de proteção civil e pelas forças de segurança, porque podem existir circunstâncias em que é necessário optar pela evacuação "como procedimento cautelar".

"Não é necessariamente pelo facto de haver evacuação que tem de haver risco associado", referiu, vincando que, por vezes, "são medidas preventivas que têm de ser tomadas".

Quanto às condições climatéricas, o comandante nacional disse que Portugal está "a atravessar uma severidade extrema", prevendo-se que no fim de semana não seja "tão extrema em termos de vento".

"Hoje, ainda vamos sentir, amanhã ainda vamos sentir a questão do vento, o que vai acontecer até segunda-feira é voltarmos às condições do passado fim de semana, que não foi vento, mas sim valores de calor de 38, 39, 40 graus", disse, classificando o atual período como de "uma gravidade significativa".

José Manuel Moura recordou ainda que se irá manter o nível de alerta laranja até domingo, o "que obriga a 50% do grau de mobilização de todo o dispositivo e até seis horas o seu estado de prontidão".

"Este é um combate desigual, estamos a lutar com um inimigo desigual, que não defende, só ataca, que é o fogo", sublinhou.

Lusa

  • José Pureza admite discussão na AR sobre alterações às leis dos incêndios
    0:44

    País

    À saída de uma reunião com a Proteção Civil, José Manuel Pureza afirmou que não fecha a porta a discussões na Assembleia da República sobre eventuais mudanças na lei, nomeadamente de molduras penais ou questões da estruturação burocrática e administrativa do combate ao incêndios, mas refere que agora é tempo de concentrar toda a força e esforço nacional no combate às chamas. O vice-presidente da Assembleia da República diz estar solidário com todos os afetados e com quem combate os vários incêndios.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.