sicnot

Perfil

País

Secretário de Estado diz que falta de resposta europeia se deve a "problemas" de outros países

© Jean Amet / Reuters

O secretário de Estado da Administração Interna explicou hoje, no parlamento, que a falta de resposta europeia ao pedido de ajuda português para combater os incêndios se deveu a "problemas" de alguns países na disponibilidade de meios aéreos.

"De facto, os outros países têm também os seus problemas, e não têm disponibilidade, claro está que um esforço qualquer país pode fazer. Nós quando fomos solicitados pela Madeira para dar uma ajuda fizemo-lo com todo o gosto e estávamos num momento de grande desespero e essa solidariedade existiu e continuará a existir sempre que seja necessário", afirmou Jorge Gomes.

O governante falava após uma reunião na Assembleia da República, numa comissão 'ad-hoc' com todos os grupos parlamentares para uma audição do membro do Governo que tutela a Proteção Civil.

"A Europa, enfim, não foi assim tão pronta para nós, mas isso também não deixou de nos motivar na mesma. Tivemos a Espanha, com o acordo bilateral, tivemos Marrocos que reagiu de imediato também, mandando dois aviões pesados, temos a Rússia que também está disponível para enviar, mas estamos a avaliar se valerá ou não a pena virem esses meios aéreos russos", acrescentou o secretário de Estado.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, admitiu hoje de manhã, em Arouca, que "estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus", sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.

A governante explicou que hoje já se encontram a operar em Portugal dois aviões Canadair marroquinos, após falar na quarta-feira com o Governo de Marrocos, em Carnaxide (Oeiras), que se juntaram aos dois Canadair espanhóis a operar no distrito de Viana do Castelo.

Os deputados deslocaram-se de seguida para o centro operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil, para se informarem "em tempo real" da situação em todo o país dos incêndios florestais.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.