sicnot

Perfil

País

Secretário de Estado diz que falta de resposta europeia se deve a "problemas" de outros países

© Jean Amet / Reuters

O secretário de Estado da Administração Interna explicou hoje, no parlamento, que a falta de resposta europeia ao pedido de ajuda português para combater os incêndios se deveu a "problemas" de alguns países na disponibilidade de meios aéreos.

"De facto, os outros países têm também os seus problemas, e não têm disponibilidade, claro está que um esforço qualquer país pode fazer. Nós quando fomos solicitados pela Madeira para dar uma ajuda fizemo-lo com todo o gosto e estávamos num momento de grande desespero e essa solidariedade existiu e continuará a existir sempre que seja necessário", afirmou Jorge Gomes.

O governante falava após uma reunião na Assembleia da República, numa comissão 'ad-hoc' com todos os grupos parlamentares para uma audição do membro do Governo que tutela a Proteção Civil.

"A Europa, enfim, não foi assim tão pronta para nós, mas isso também não deixou de nos motivar na mesma. Tivemos a Espanha, com o acordo bilateral, tivemos Marrocos que reagiu de imediato também, mandando dois aviões pesados, temos a Rússia que também está disponível para enviar, mas estamos a avaliar se valerá ou não a pena virem esses meios aéreos russos", acrescentou o secretário de Estado.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, admitiu hoje de manhã, em Arouca, que "estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus", sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.

A governante explicou que hoje já se encontram a operar em Portugal dois aviões Canadair marroquinos, após falar na quarta-feira com o Governo de Marrocos, em Carnaxide (Oeiras), que se juntaram aos dois Canadair espanhóis a operar no distrito de Viana do Castelo.

Os deputados deslocaram-se de seguida para o centro operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil, para se informarem "em tempo real" da situação em todo o país dos incêndios florestais.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.