sicnot

Perfil

País

Cooperativa de Proença-a-Nova defende plantação de medronheiros nas áreas ardidas

PAULO CUNHA/ LUSA

A Cooperativa Portuguesa do Medronho (CPM), com sede em Proença-a-Nova, defende o cultivo do medronheiro e de outras espécies autóctones nos espaços florestais destruídos pelos incêndios.

"O medronheiro surge com uma das espécies mediterrânicas mais bem adaptadas ao nosso clima e aos nossos solos", disse hoje à agência Lusa o biólogo Carlos Fonseca, presidente da direção da CPM.

Nas áreas ardidas, o medronheiro (Arbutus unedo) "é das primeiras espécies nativas que se regenera, protegendo também desta forma o solo", acrescentou.

"Enquanto espécie nativa mediterrânica, é uma das plantas mais bem adaptadas ao fenómeno dos incêndios, a par do sobreiro e de alguns carvalhos, além de ser uma planta rústica, que tanto tolera a falta de água como o frio", afirmou, frisando que a sua existência em Portugal, há milhões de anos, "permitiu uma coevolução num ecossistema em que os fogos naturais são uma realidade".

À passagem do fogo, "o medronheiro é geralmente uma das espécies que mais rapidamente recupera e regenera, rebentado desde a base do tronco ou da raiz e contribuindo para a proteção e reabilitação do solo", segundo Carlos Fonseca, professor da Universidade de Aveiro.

"O fomento de espécies como o medronheiro, em consociação ou não com outras espécies arbóreas e arbustivas, representa um positivo contributo para a sustentabilidade ecológica e ambiental dos ecossistemas mediterrânicos e para a valorização económica dos nossos territórios e funciona, sem dúvida, como uma solução contracorrente nos tempos pós-incêndios que se avizinham", preconizou.

Face à calamidade dos incêndios florestais, que "invade ciclicamente o país de norte a sul", são cada vez mais "as vozes que evidenciam a necessidade urgente de melhor e mais eficaz ordenamento e gestão florestais", ajudando à prevenção dos fogos.

"Anualmente, são milhares os hectares de floresta e matos destruídos no nosso país pelos incêndios, tornando mais pobres os solos, a paisagem, a biodiversidade e parte das pessoas que vivem nos territórios ardidos", sublinhou o presidente da Cooperativa Portuguesa do Medronho.

Ano após ano, as estatísticas "demonstram que é nas regiões de minifúndio que ocorrem mais ignições e onde os incêndios são maiores" em termos de área queimada.

"Também as espécies de rápido crescimento, quase todas exóticas, são as mais devastadas pelos incêndios, enquanto as espécies nativas, arbustivas e arbóreas são as menos afetadas", sublinhou.

Defendendo que importa "entender o que irá acontecer no pós-incêndios", o biólogo disse que Portugal "apresenta fundamentalmente dois padrões em termos de dimensão da propriedade rústica": o latifúndio, associado a parte da Beira Baixa, Ribatejo e Alentejo, e o minifúndio, que predomina no resto do país.

"Mais recentemente, o medronheiro tem vindo a ser encarado pelos proprietários rurais de várias regiões do país, com especial destaque para o Centro e o Algarve, como uma mais-valia económica à qual se associa um elevado valor ecológico e ambiental", enfatizou.

As plantações de medronheiro, com diferentes áreas, "funcionam como autênticos mosaicos de fragmentação de manchas florestais contínuas, contribuindo por si só para a descontinuidade florestal" e para a prevenção dos fogos.

"O medronheiro é uma das espécies arbustivas que atualmente apresenta um maior potencial económico, principalmente devido às múltiplas utilizações do seu fruto", disse.

Carlos Fonseca enumerou a importância do medronho na produção de bebidas e derivados, o consumo como fruto fresco ou sumo, além da sua aplicação em iogurtes, compotas, pastelaria, cosmética, medicina e nutricionismo, entre outras utilizações.

Lusa

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.