sicnot

Perfil

País

Mais de 600 militares do Exército combatem incêndios no Continente e Madeira

O Exército destacou mais de 600 militares e uma centena de viaturas para apoiar o combate aos incêndios em Portugal Continental e na Região Autónoma da Madeira, divulgou esta sexta-feira este ramo das Forças Armadas.

Em comunicado, o Exército informa que tinha destacado no dia de hoje 558 militares e 99 viaturas, incluindo cinco Destacamentos de Engenharia, para apoiar no combate a incêndios nos distritos de Aveiro, Leiria, Porto, Viana do Castelo e Viseu.

Já na Região Autónoma da Madeira o Exército refere que está a trabalhar em colaboração com a estrutura regional da Proteção Civil e com o Regimento de Guarnição n.º3 no sentido de prestar apoio a nível de alojamento e de alimentação.

Nesse sentido, o Exército está a apoiar na Madeira 58 doentes, a maioria do hospital dos Marmeleiros (Funchal), e 60 pessoas que ficaram desalojadas , sendo que o Regimento de Guarnição n.º3 irá acolher 30, que se encontravam a pernoitar na Escola Nova da Nazaré.

A ilha da Madeira foi fustigada por incêndios que deflagraram na segunda-feira na freguesia de São Roque, no Funchal, alastraram a outras localidades do concelho e, em menor dimensão, a outros municípios.

Os fogos, que chegaram ao centro do Funchal, provocaram três vítimas mortais, cerca de mil desalojados temporários, mais de duas centenas de habitações danificadas e avultados prejuízos materiais.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.