sicnot

Perfil

País

Nenhum bombeiro abandonou o posto mesmo com famílias e casas em risco

GREG\303\223RIO CUNHA

Nenhum dos bombeiros dos Municipais do Funchal abandonou o seu posto, apesar de terem as casas e famílias em risco, assegurou esta sexta-feira o comandante, que enfrentou pela primeira vez o "drama" de um fogo florestal descer à cidade.

"Foram dias complicados, não só para mim, como também para toda a população, e, em especial, para todos os bombeiros que estiveram no terreno", disse José Minas à agência Lusa.

O responsável enalteceu o empenhamento no combate aos vários fogos que deflagraram na segunda-feira na freguesia de São Roque, nas zonas altas do Funchal, e que afetaram outras localidades do concelho, tendo as chamas descido à cidade, onde provocaram três mortos, consumiram muitas casas e lançaram algum caos.

O comandante dos Bombeiros Municipais do Funchal (BMF) reconheceu que a situação foi "psicologicamente muito difícil, porque os bombeiros também residem no Funchal e nas zonas afetadas" pelo fogo.

Mas, assegurou, "nenhum bombeiro desta corporação deixou de prestar assistência à população em detrimento da sua proteção, dos seus bens ou das suas famílias", vincando que "todos estiveram ao serviço da população, sendo extremamente difícil deixar a família em casa, muitas vezes em zonas expostas e vir trabalhar em prol dos outros".

José Minas referiu que a Câmara do Funchal disponibilizou, desde a primeira hora, apoio psicológico para os efetivos da corporação, além de assistência ao nível da fisioterapia

O responsável observou que "pela primeira vez na carreira" apanhou "uma situação de combate a incêndios florestais que se propagaram à área urbana, à zona antiga, tendo vivido "momentos extremamente dramáticos e extenuantes do ponto de vista físico e, principalmente, psicológico".

Para o responsável da corporação dos municipais do Funchal, o momento mais crítico e "marcante" do combate aos incêndios dos últimos dias foi a "situação na zona histórica".

José Minas recorda que foi das primeiras pessoas a chegar ao local, sendo na altura "o condutor" do presidente do município, Paulo Câfofo, que se "apercebeu de toda a intervenção e do drama" que se desenrolava naquela zona baixa da cidade.

"Trabalhámos com muito poucos meios. Tivemos que gerir muito bem os meios existentes no local, principalmente porque não conseguíamos colocar viaturas de combate imediatamente no local", apontou.

Na opinião do comandante, foi um "milagre colocar as autoescadas na zona" e conseguir canalizar água para a zona "foi um trabalho dramático".

"Tivemos problemas de abastecimento de água, como temos sempre", admitiu, argumentando ser "impossível numa cidade com a orografia do Funchal que não haja quebras de água, principalmente nas zonas altas".

No caso do foco na zona de S. Pedro, onde foram consumidos alguns imóveis e foi necessário evacuar uma unidade hoteleira, os bombeiros pediram "um aumento de caudal de pressão, através dos serviços da câmara para aquela zona".

"Foi com essa água que fizemos o combate", sustentou, acrescentando que neste ataque ao fogo apenas tiveram o apoio de um pronto-socorro dos Voluntários Madeirenses (BVM) e de uma viatura do dispositivo do Aeroporto Internacional da Madeira, "com uma bomba específica que se dirigiu para aquela zona".

Segundo José Minas, "se não fosse a água da rede pública" aquele quarteirão na baixa da cidade seria "perdido completamente".

"Este foco foi o que marcou, porque tudo o resto foram situações que, infelizmente, já passei por elas em várias ocasiões", observou.

Outra situação complicada foi a necessidade de retirar as pessoas das habitações em perigo, para a qual é necessário recorrer à intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP), que, atestou, "fez um trabalho excecional".

"Não temos nenhuma situação de ferimentos graves" nos bombeiros da corporação, disse José Minas, mencionando que se registaram alguns casos de problemas com inalação de fumos, o que exigiu que "passassem algum período na câmara hiperbárica sob pressão" e uma bombeira "com uma lesão ocular que se encontra a recuperar em casa".

José Minas indicou que os BMF ficaram "com oito bombeiros que não conseguem nos próximos dias prestar apoio, porque estão com algumas lesões, mas nada de preocupante"

A corporação dos Municipais do Funchal teve a quase totalidade dos efetivos, excetuando os que estão ausentes da região, em férias, num total de 90 elementos, envolvidos no combate aos incêndios.

"Muitos estavam a gozar férias e interromperam para combater o fogo, como eu", concluiu.

Lusa

  • Cardeal George Pell acusado de abuso sexual de menores na Austrália

    Mundo

    O cardeal George Pell, que dirige a Secretaria da Economia do Vaticano, foi hoje acusado de crimes de abuso sexual de menores na Austrália e intimado a comparecer em tribunal dentro de dias, anunciou a polícia. George Pell, o principal conselheiro financeiro do Papa Francisco e o mais alto representante da Igreja católica na Austrália, é o mais alto membro do Vaticano a ser formalmente indiciado por crimes relacionados com abuso sexual de menores.

  • "Foi o momento mais difícil da minha vida", disse a ministra emocionada
    3:24
  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35

    País

    A Força Aérea portuguesa é a única força militar, para além da norte-americana, que pode mexer em praticamente todo o motor de um caça F-16. Na base aérea de Monte Real há uma fábrica de caças que pode levar o país a comprar mais aviões às peças, para revender a outras forças militares.

  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20