sicnot

Perfil

País

Nenhum bombeiro abandonou o posto mesmo com famílias e casas em risco

GREG\303\223RIO CUNHA

Nenhum dos bombeiros dos Municipais do Funchal abandonou o seu posto, apesar de terem as casas e famílias em risco, assegurou esta sexta-feira o comandante, que enfrentou pela primeira vez o "drama" de um fogo florestal descer à cidade.

"Foram dias complicados, não só para mim, como também para toda a população, e, em especial, para todos os bombeiros que estiveram no terreno", disse José Minas à agência Lusa.

O responsável enalteceu o empenhamento no combate aos vários fogos que deflagraram na segunda-feira na freguesia de São Roque, nas zonas altas do Funchal, e que afetaram outras localidades do concelho, tendo as chamas descido à cidade, onde provocaram três mortos, consumiram muitas casas e lançaram algum caos.

O comandante dos Bombeiros Municipais do Funchal (BMF) reconheceu que a situação foi "psicologicamente muito difícil, porque os bombeiros também residem no Funchal e nas zonas afetadas" pelo fogo.

Mas, assegurou, "nenhum bombeiro desta corporação deixou de prestar assistência à população em detrimento da sua proteção, dos seus bens ou das suas famílias", vincando que "todos estiveram ao serviço da população, sendo extremamente difícil deixar a família em casa, muitas vezes em zonas expostas e vir trabalhar em prol dos outros".

José Minas referiu que a Câmara do Funchal disponibilizou, desde a primeira hora, apoio psicológico para os efetivos da corporação, além de assistência ao nível da fisioterapia

O responsável observou que "pela primeira vez na carreira" apanhou "uma situação de combate a incêndios florestais que se propagaram à área urbana, à zona antiga, tendo vivido "momentos extremamente dramáticos e extenuantes do ponto de vista físico e, principalmente, psicológico".

Para o responsável da corporação dos municipais do Funchal, o momento mais crítico e "marcante" do combate aos incêndios dos últimos dias foi a "situação na zona histórica".

José Minas recorda que foi das primeiras pessoas a chegar ao local, sendo na altura "o condutor" do presidente do município, Paulo Câfofo, que se "apercebeu de toda a intervenção e do drama" que se desenrolava naquela zona baixa da cidade.

"Trabalhámos com muito poucos meios. Tivemos que gerir muito bem os meios existentes no local, principalmente porque não conseguíamos colocar viaturas de combate imediatamente no local", apontou.

Na opinião do comandante, foi um "milagre colocar as autoescadas na zona" e conseguir canalizar água para a zona "foi um trabalho dramático".

"Tivemos problemas de abastecimento de água, como temos sempre", admitiu, argumentando ser "impossível numa cidade com a orografia do Funchal que não haja quebras de água, principalmente nas zonas altas".

No caso do foco na zona de S. Pedro, onde foram consumidos alguns imóveis e foi necessário evacuar uma unidade hoteleira, os bombeiros pediram "um aumento de caudal de pressão, através dos serviços da câmara para aquela zona".

"Foi com essa água que fizemos o combate", sustentou, acrescentando que neste ataque ao fogo apenas tiveram o apoio de um pronto-socorro dos Voluntários Madeirenses (BVM) e de uma viatura do dispositivo do Aeroporto Internacional da Madeira, "com uma bomba específica que se dirigiu para aquela zona".

Segundo José Minas, "se não fosse a água da rede pública" aquele quarteirão na baixa da cidade seria "perdido completamente".

"Este foco foi o que marcou, porque tudo o resto foram situações que, infelizmente, já passei por elas em várias ocasiões", observou.

Outra situação complicada foi a necessidade de retirar as pessoas das habitações em perigo, para a qual é necessário recorrer à intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP), que, atestou, "fez um trabalho excecional".

"Não temos nenhuma situação de ferimentos graves" nos bombeiros da corporação, disse José Minas, mencionando que se registaram alguns casos de problemas com inalação de fumos, o que exigiu que "passassem algum período na câmara hiperbárica sob pressão" e uma bombeira "com uma lesão ocular que se encontra a recuperar em casa".

José Minas indicou que os BMF ficaram "com oito bombeiros que não conseguem nos próximos dias prestar apoio, porque estão com algumas lesões, mas nada de preocupante"

A corporação dos Municipais do Funchal teve a quase totalidade dos efetivos, excetuando os que estão ausentes da região, em férias, num total de 90 elementos, envolvidos no combate aos incêndios.

"Muitos estavam a gozar férias e interromperam para combater o fogo, como eu", concluiu.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.