sicnot

Perfil

País

Oficiais dizem que Força Aérea pode reassumir combate e poupar dinheiro

Meios aéreos no combate ao fogo que deflagrou em Caminha a 10 de agosto de 2016.

ARMÉNIO BELO / LUSA

O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) afirmou esta sexta-feira que a Força Aérea está preparada para receber meios e reassumir o combate aos incêndios, considerando que uma decisão política nesse sentido pouparia dinheiro ao Estado.

"Se houver uma decisão do Governo a dizer que a partir de hoje a Força Aérea [FA] combate os incêndios, obviamente que não combate, porque há 20 anos desativaram os meios para utilizar nas aeronaves que permitiam combater os incêndios. Obviamente é preciso fazer um investimento e um investimento significativo", esclareceu António Mota.

No entanto, após esse investimento, o dirigente considerou que o combate pela FA de incêndios até ficaria mais barato ao Estado, porque os pilotos já são pagos e estão ao serviço do Estado o ano inteiro, além de que a FA já tem estruturas pelo país, como aeródromos e pistas, assim como equipas de mecânicos e de manutenção.

António Mota realçou que a FA "foi completamente afastada do combate aos incêndios há 20 anos", o que "coincidiu - e cada um tira as ilações que entender -- com o estabelecimento de uma série de protocolos com empresas privadas, que assim têm o monopólio do combate aos incêndios em Portugal".

"Só se compreende que tenham retirado à FA por interesses financeiros e por interesses de negociata. Isto tem de ser dito e tem de ser dito desta maneira", considerou.

O dirigente destacou que um relatório conhecido na quinta-feira, mas pedido ainda pelo Governo de Passos Coelho, refere que seria necessária uma verba de cerca de 60 milhões de euros em dois anos para dotar novamente a FA com os meios necessários para combate aos incêndios, tal como acontece na maior parte dos países europeus.

"Eu também ouvi o presidente da Madeira a dizer que só na Madeira os prejuízos dos incêndios em dois dias ascenderam a 55 milhões. Parece-nos evidente de mais de que é à FA que têm de ser atribuídos os meios", considerou, salientando que se gasta uma média de mil milhões de euros com os fogos todos os anos e que uma hora de voo de um avião 'Kamov' no combate aos incêndios custa cerca de 35 mil euros.

António Mota destacou que seria necessária alguma formação específica para os pilotos da FA combaterem incêndios, mas de resto estão "preparadíssimos".

"Naturalmente tem que haver um treino específico. Não é o mesmo transportar pessoal para a Madeira que andar por cima de um incêndio a lançar calda retardante. Agora, alguns dos meus camaradas militares pilotos da FA são exatamente hoje os pilotos que andam nos aviões a combater os incêndios. Porque são os melhores pilotos portugueses, isso não há duvida nenhuma, e as empresas privadas sabem disso. Não estou a dizer que há colegas aqui a fugir ao serviço, mas há alguns que aproveitam as épocas de férias para andar a combater os incêndios ao serviço das empresas. Se estão preparados? Estão preparadíssimos", disse.

Na internet decorre uma petição que pede o regresso da FA ao combate aos incêndios e que hoje tem mais de 28.100 assinaturas, a que a AOFA diz ser alheia.

Porém, a associação diz compreender, porque, segundo António Mota, "é clarinho que assim deve ser", como revelam "as milhares de mensagens de cidadãos" que tem recebido na página na internet nos últimos dias.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.