sicnot

Perfil

País

Oficiais dizem que Força Aérea pode reassumir combate e poupar dinheiro

Meios aéreos no combate ao fogo que deflagrou em Caminha a 10 de agosto de 2016.

ARMÉNIO BELO / LUSA

O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) afirmou esta sexta-feira que a Força Aérea está preparada para receber meios e reassumir o combate aos incêndios, considerando que uma decisão política nesse sentido pouparia dinheiro ao Estado.

"Se houver uma decisão do Governo a dizer que a partir de hoje a Força Aérea [FA] combate os incêndios, obviamente que não combate, porque há 20 anos desativaram os meios para utilizar nas aeronaves que permitiam combater os incêndios. Obviamente é preciso fazer um investimento e um investimento significativo", esclareceu António Mota.

No entanto, após esse investimento, o dirigente considerou que o combate pela FA de incêndios até ficaria mais barato ao Estado, porque os pilotos já são pagos e estão ao serviço do Estado o ano inteiro, além de que a FA já tem estruturas pelo país, como aeródromos e pistas, assim como equipas de mecânicos e de manutenção.

António Mota realçou que a FA "foi completamente afastada do combate aos incêndios há 20 anos", o que "coincidiu - e cada um tira as ilações que entender -- com o estabelecimento de uma série de protocolos com empresas privadas, que assim têm o monopólio do combate aos incêndios em Portugal".

"Só se compreende que tenham retirado à FA por interesses financeiros e por interesses de negociata. Isto tem de ser dito e tem de ser dito desta maneira", considerou.

O dirigente destacou que um relatório conhecido na quinta-feira, mas pedido ainda pelo Governo de Passos Coelho, refere que seria necessária uma verba de cerca de 60 milhões de euros em dois anos para dotar novamente a FA com os meios necessários para combate aos incêndios, tal como acontece na maior parte dos países europeus.

"Eu também ouvi o presidente da Madeira a dizer que só na Madeira os prejuízos dos incêndios em dois dias ascenderam a 55 milhões. Parece-nos evidente de mais de que é à FA que têm de ser atribuídos os meios", considerou, salientando que se gasta uma média de mil milhões de euros com os fogos todos os anos e que uma hora de voo de um avião 'Kamov' no combate aos incêndios custa cerca de 35 mil euros.

António Mota destacou que seria necessária alguma formação específica para os pilotos da FA combaterem incêndios, mas de resto estão "preparadíssimos".

"Naturalmente tem que haver um treino específico. Não é o mesmo transportar pessoal para a Madeira que andar por cima de um incêndio a lançar calda retardante. Agora, alguns dos meus camaradas militares pilotos da FA são exatamente hoje os pilotos que andam nos aviões a combater os incêndios. Porque são os melhores pilotos portugueses, isso não há duvida nenhuma, e as empresas privadas sabem disso. Não estou a dizer que há colegas aqui a fugir ao serviço, mas há alguns que aproveitam as épocas de férias para andar a combater os incêndios ao serviço das empresas. Se estão preparados? Estão preparadíssimos", disse.

Na internet decorre uma petição que pede o regresso da FA ao combate aos incêndios e que hoje tem mais de 28.100 assinaturas, a que a AOFA diz ser alheia.

Porém, a associação diz compreender, porque, segundo António Mota, "é clarinho que assim deve ser", como revelam "as milhares de mensagens de cidadãos" que tem recebido na página na internet nos últimos dias.

Lusa

  • Palestina anuncia congelamento total das relações com Israel

    Mundo

    O Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, anunciou hoje o "congelamento de relações" com Israel "a todos os níveis", quando cresce a tensão entre as partes devido ao reforço de segurança promovido pelos israelitas na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém.

  • Da alta finança à Casa Branca - as mudanças na comunicação de Trump
    1:22
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.