sicnot

Perfil

País

Presidente diz que não houve má vontade europeia na ajuda

Presidente diz que não houve má vontade europeia na ajuda

O Presidente da República acredita que não houve má vontade europeia na resposta ao pedido de ajuda feito por Portugal para o combate aos incêndios florestais que devastam o país.

"Não penso que haja má vontade europeia em relação à solitação portuguesa", afirmou o chefe de Estado no final de uma reunião com o presidente da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que "em curto espaço de tempo" houve respostas de Espanha, Itália, Marrocos e Rússia que deslocaram para Portugal vários meios aéreos.

"É uma resposta, que não sendo massiva, vem ajudar significante a intervenção das forças no terreno", declarou aos jornalistas.

Na quinta-feira, em Arouca, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, mostrou-se insatisfeita com a resposta dos parceiros europeus ao pedido de ajuda de Portugal civil para fazer face aos muitos incêndios que lavram no país.

"Estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus", afirmou a ministra, sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.

O Presidente prometeu ainda "acompanhar muito de perto" decisões políticas que devem ser tomadas relativamente à prevenção dos incêndios e à implementação de medidas de proteção das florestas, após este período de incêndios.

Com Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.