sicnot

Perfil

País

Fogo de Arouca atinge S. Pedro do Sul e é "o mais preocupante"

ESTELA SILVA/ LUSA

O incêndio em Arouca, distrito de Aveiro, que já passou para o município vizinho de S. Pedro do Sul, distrito de Viseu, é esta tarde aquele que mais preocupa, disse hoje o adjunto de operações nacional da Proteção Civil.

"Neste momento, o [incêndio] mais preocupante e o que está a ocupar a maioria do nosso dispositivo é o incêndio em Arouca, que já passou para S. Pedro do Sul", afirmou à Lusa Carlos Guerra, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Segundo o ajunto de operações, este incêndio, que deflagrou na segunda-feira à tarde na freguesia de Janarde, Arouca, distrito de Aveiro, está a ser combatido por dez meios aéreos e tem alocados "559 operacionais e 177 veículos".

Na página na internet da ANPC, às 15:30, esta era a única ocorrência importante a registar, sendo que os outros incêndios rurais verificados no território -- mais de uma centena -, acrescentou Carlos Guerra, "são resolúveis em pouco tempo".

A diminuição da intensidade do vento nos últimos dois dias, disse, "foi uma preciosa ajuda" que a Proteção Civil teve na sexta-feira, bem como a chegada dos meios aéreos de Marrocos e Itália.

Carlos Guerra referiu, contudo, que se mantém as condições de risco de incêndio florestal, porque há ainda "temperaturas acima dos 30 graus, ventos com intensidade superior a 30 quilómetros/hora e humidade relativa inferior a 30".

As estimativas do sistema europeu de informação sobre fogos florestais (EFFIS, na sigla em inglês) da Comissão Europeia apontam para uma área ardida de cerca de 116.017 hectares na semana terminada na sexta-feira, em Portugal.

Os dados do EFFIS, disponíveis no seu 'site', baseiam-se em informação recolhida através de imagens de satélite.

Até 05 de agosto, tinham ardido 85.146 hectares em Portugal, uma área que tinha mais do que duplicado uma semana depois, ou seja, durante oito dias ardeu quase o dobro do total da área destruída pelos incêndios desde o início do ano até ao início de agosto, segundo o EFFIS.

Lusa

  • Terrenos abandonados podem passar para a tutela das autarquias
    1:39

    País

    O Governo quer mudar a posse de terrenos abandonados para as autarquias, que ficariam responsáveis pela limpeza dos mesmos. Não se trata de uma expropriação, porque os terrenos seriam devolvidos aos donos caso fossem encontrados. Miguel Albuquerque diz que o principio até pode ser bom, mas que as autarquias precisam de dinheiro.

  • "Forças armadas não têm qualquer tipo de capacidade para combater fogos"
    1:03

    País

    O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, diz que a força aérea vai ter meios de combate aos fogos e que é inevitável comprar aviões e helicópteros. Esta manhã, a ministra da Administração Interna já veio dizer o contrário. Para Constança Urbano de Sousa as forças armadas não têm qualquer tipo de capacidade para o combate aos incêndios.

  • Dominado incêndio em Viana do Castelo

    País

    O incêndio em Viana do Castelo, que deflagrou na sexta-feira à noite, está dominado, segundo a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), que refere ainda existirem no local 65 bombeiros e elementos da GNR.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.