sicnot

Perfil

País

Mais de 100 desalojados em centros de acolhimento na Madeira

LUSA

O Governo Regional da Madeira informou hoje que faltam realojar 101 pessoas que estão em centros de acolhimento na sequência dos incêndios que destruíram 160 habitações, estando ainda a ser apurado o número de desalojados a viver com familiares.

A secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, falava aos jornalistas no final de uma visita que a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, - juntamente com o presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo - fez ao regimento de guarnição número 3, no Funchal.

Neste local chegaram a estar 600 pessoas acolhidas provisoriamente depois dos incêndios que esta semana assolaram a Madeira, mas onde neste sábado de manhã restam cerca de 70 desalojados.

"Ainda temos 101 pessoas que estão acolhidas e temos muitas outras tantas que estão em casa de familiares", explicou Rubina Leal, acrescentando que já subiu para 160 o número de habitações completamente danificadas pelas chamas.

De acordo com a secretária regional, o número de desalojados poderá ascender às 200 pessoas, mas ainda não é possível definir o número final uma vez que está a ser feito o levantamento dos desalojados que estão a viver com familiares e amigos.

"Entre o dia de ontem [sexta-feira] e esta manhã realojámos 10 famílias. Obviamente que o realojamento requer que nós tenhamos casas disponíveis e casas habitáveis e mobiladas", disse, acrescentando que o Governo Regional está a "procurar fazer rapidamente contratos de arrendamento para providenciar durante este fim de semana o realojamento das outras pessoas".

Mas Rubina Leal foi perentória ao afirmar que "os critérios do realojamento têm que ser claros e transparentes", sendo dada prioridade aos familiares das vítimas que morreram nos incêndios, aos idosos, às famílias numerosas, às pessoas com problemas de saúde e às famílias com crianças, independentemente de estarem em centros de acolhimento ou com familiares.

"Temos que ser rigorosos. E ser rigoroso e rápido nem sempre é fácil", assumiu.

A responsável assegurou que os processos estão a ser acelerados e que o Governo Regional tem todos "os mecanismos e os instrumentos a funcionar" para conseguir "dar uma habitação o mais confortável possível às pessoas".

"Estamos neste momento a fazer as respetivas limpezas [nas casas], com o apoio de voluntários do Corpo Nacional de Escutas", acrescentou ainda.

Lusa

  • Manchester canta "Don't Look Back in Anger" dos Oasis
    1:11

    Ataque em Manchester

    O Reino Unido cumpriu esta manhã, às 11:00, um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do ataque de segunda-feira em Manchester. Nesta cidade britânica, uma mulher começou a cantar a canção dos Oasis "Don't Look Back in Anger" e a multidão logo se juntou, num momento tocante.

  • Hoje é o dia internacional da criança desaparecida
    1:52

    País

    Assinala-se esta quinta-feira o dia internacional da criança desaparecida, numa altura em que foi conhecido um dado preocupante: há cada vez mais raptos parentais. O Instituto de Apoio à Criança recebe, por dia, 10 pedidos de ajuda.

  • Mourinho volta a conquistar a Europa

    Liga Europa

    O Manchester United conquistou esta quarta-feira a Liga Europa pela primeira vez. Este foi o quarto título europeu para Mourinho, depois das conquistas da Taça UEFA, em 2002/03, e da Liga dos Campeões, em 2003/04 e 2009/10.

  • Mexicana vence ultramaratona a correr de sandálias e de saia

    Desporto

    Uma mexicana venceu uma ultramaratona de 50 quilómetros a correr de saia e sandálias de borracha. María Lorena Ramírez, de 22 anos, não é atleta profissional, nem recebeu treino específico para a Ultra Trail Cerro Rojo, prova que venceu, mas pertence à tribo Tarahumara, com uma longa e invulgar tradição de excelentes corredores.

    SIC

  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36