sicnot

Perfil

País

Cinco aviões no combate às chamas em S. Pedro do Sul

Reuters

O incêndio que afeta S. Pedro do Sul, no distrito de Viseu, e que começou na segunda-feira, em Arouca, já está a ser combatido por cinco meios aéreos pesados, segundo informação na página da proteção civil.

A Autoridade Nacional da proteção Civil (ANPC) refere às 11:00 que no local do incêndio florestal estão 873 operacionais, dos quais 688 bombeiros, apoiados por 259 meios terrestres.

Este incêndio, o único de maiores proporções indicado pela proteção civil, começou ao início da tarde de segunda-feira, na localidade de Janarde, concelho de Arouca, distrito de Aveiro, mas alastrou ao distrito vizinho de Viseu.

O adjunto de operações da ANPC Carlos Guerra tinha dito à Lusa, no início da manhã, que assim que fosse possível, seriam utilizados os meios aéreos disponíveis para combater este incêndio que já levou à retirada de pessoas de várias povoações durante a noite.

"Neste momento [cerca das 09:00], estamos em condições [de atuar], se a situação permitir no local, com os oito meios aéreos pesados disponíveis e, se conseguirmos, pensamos que a situação poderá ficar resolvida dentro de algumas horas", referiu.

O fumo produzido pelo fogo não permitia a utilização dos aviões já que impossibilitava a visibilidade dos pilotos.

Cerca das 11:00, a página na ANPC dá conta de 56 incêndios rurais, que mobilizam 2.404 operacionais, 798 meios terrestres e 11 meios aéreos, com o distrito do Porto a registar 13 situações e Aveiro 11.

A proteção civil destaca na página como "ocorrências importantes" os fogos com duração superior a três horas e com mais de 15 meios de proteção e socorro envolvidos, mas apenas contempla os incidentes do continente, já que as regiões autónomas têm serviços próprios nesta área.

Lusa

  • Governo quer que terrenos abandonados sejam geridos pelas autarquias
    1:38

    País

    O Governo quer mudar a posse de terrenos abandonados para as autarquias. Os municípios ficariam responsáveis pela limpeza dos espaços. Não se trata de uma expropriação, porque os terrenos seriam devolvidos aos donos caso fossem encontrados. Miguel Albuquerque diz que o principio até pode ser bom, mas para que funcione as autarquias precisam de mais dinheiro.

  • Depois das chamas em Anadia, é hora de fazer contas
    3:13

    País

    O incêndio de Anadia deu finalmente tréguas aos bombeiros. As chamas que esta semana lavraram durante três dias e que alastraram a Mealhada e Mortágua, deixaram um rasto de destruição. Agora começam-se a fazer as primeiras contas aos prejuízos que ao que tudo indica poderão atingir as centenas de milhares de euros.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.