sicnot

Perfil

País

Cinco aviões no combate às chamas em S. Pedro do Sul

Reuters

O incêndio que afeta S. Pedro do Sul, no distrito de Viseu, e que começou na segunda-feira, em Arouca, já está a ser combatido por cinco meios aéreos pesados, segundo informação na página da proteção civil.

A Autoridade Nacional da proteção Civil (ANPC) refere às 11:00 que no local do incêndio florestal estão 873 operacionais, dos quais 688 bombeiros, apoiados por 259 meios terrestres.

Este incêndio, o único de maiores proporções indicado pela proteção civil, começou ao início da tarde de segunda-feira, na localidade de Janarde, concelho de Arouca, distrito de Aveiro, mas alastrou ao distrito vizinho de Viseu.

O adjunto de operações da ANPC Carlos Guerra tinha dito à Lusa, no início da manhã, que assim que fosse possível, seriam utilizados os meios aéreos disponíveis para combater este incêndio que já levou à retirada de pessoas de várias povoações durante a noite.

"Neste momento [cerca das 09:00], estamos em condições [de atuar], se a situação permitir no local, com os oito meios aéreos pesados disponíveis e, se conseguirmos, pensamos que a situação poderá ficar resolvida dentro de algumas horas", referiu.

O fumo produzido pelo fogo não permitia a utilização dos aviões já que impossibilitava a visibilidade dos pilotos.

Cerca das 11:00, a página na ANPC dá conta de 56 incêndios rurais, que mobilizam 2.404 operacionais, 798 meios terrestres e 11 meios aéreos, com o distrito do Porto a registar 13 situações e Aveiro 11.

A proteção civil destaca na página como "ocorrências importantes" os fogos com duração superior a três horas e com mais de 15 meios de proteção e socorro envolvidos, mas apenas contempla os incidentes do continente, já que as regiões autónomas têm serviços próprios nesta área.

Lusa

  • Governo quer que terrenos abandonados sejam geridos pelas autarquias
    1:38

    País

    O Governo quer mudar a posse de terrenos abandonados para as autarquias. Os municípios ficariam responsáveis pela limpeza dos espaços. Não se trata de uma expropriação, porque os terrenos seriam devolvidos aos donos caso fossem encontrados. Miguel Albuquerque diz que o principio até pode ser bom, mas para que funcione as autarquias precisam de mais dinheiro.

  • Depois das chamas em Anadia, é hora de fazer contas
    3:13

    País

    O incêndio de Anadia deu finalmente tréguas aos bombeiros. As chamas que esta semana lavraram durante três dias e que alastraram a Mealhada e Mortágua, deixaram um rasto de destruição. Agora começam-se a fazer as primeiras contas aos prejuízos que ao que tudo indica poderão atingir as centenas de milhares de euros.

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.