sicnot

Perfil

País

Dois participantes no Boom Festival morrem a caminho do hospital

Boom Festival - Facebook

Jakob Kolar Photography

Dois participantes no Boom Festival, em Idanha-a-Nova, morreram este domingo a caminho do Hospital de Castelo Branco. Um terceiro participante está hospitalizado com sinais de droga no organismo, a informação foi confirmada à SIC pelo comando distrital da GNR de Castelo Branco.

De acordo com a GNR de Castelo Branco, desconhecem-se as causas que estiveram na origem da morte das duas pessoas.

"Os dois homens, um chinês e um holandês, foram assistidos no posto de saúde que está montando no festival. No trajeto [para o hospital de Castelo Branco] acabaram por falecer, desconhecendo-se as causas da morte", disse o tenente-coronel Fernando Miranda, 2º comandante distrital da GNR de Castelo Branco.

O indivíduo que se encontra hospitalizado é, de acordo com tenente-coronel Miranda, um cidadão português, e está identificado como sendo uma pessoa que transportava droga no organismo.

Em comunicado, a organização do Boom Festival confirma a ocorrência com dois visitantes e refere que ambos entraram em paragem cardiorrespiratória.

"As vítimas foram prontamente assistidas pelas equipas médicas presentes em permanência no evento, tendo sido imediatamente acompanhadas ao hospital [Castelo Branco]", lê-se no documento.

A organização adianta ainda que foi informada de que ambas as vítimas não resistiram, "tendo falecido no hospital, sendo prematuro [...] avançar com as causas de morte".

A organização do Boom Festival lamenta a morte dos dois visitantes e mostra-se disponível para prestar todo o apoio às famílias e às autoridades.

A 11.ª edição do Boom Festival começou na quinta-feira e conta com a presença de pessoas de 162 países, sendo que 90% do público é estrangeiro e, deste, o francês é o que tem maior expressão.

Este ano, o país convidado é o Japão, de onde vêm cerca de 500 pessoas.

O evento está esgotado desde dezembro e os 33.333 bilhetes disponíveis foram vendidos em apenas 34 dias.

O Boom Festival termina no dia 18.

Com Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.