sicnot

Perfil

País

Risco máximo de incêndio em 23 concelhos

Nuno Andre Ferreira/ Lusa

O risco de incêndio é hoje máximo em 23 concelhos de Portugal continental, principalmente no norte e centro do país, e muito elevado em cerca de uma centena de outros distribuídos por todo, segundo dados do IPMA.

Na sua página na internet, mais a norte, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estima um risco de incêndio máximo nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Ribeira de Pena, no distrito de Vila Real, e Cabeceiras de Basto, no distrito de Braga.

No distrito de Viseu são os concelhos de Castro Daire, Vila Nova de Paiva e Moimenta da Beira que apresentam risco máximo, enquanto que no distrito da Guarda a lista inclui Aguiar da Beira, Trancoso, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Gouveia, Sabugal e Guarda.

Arganil, Pampilhosa da Serra, Góis (distrito de Coimbra), Oleiros e Sertã (Castelo Branco), Pedrogão Grande (Leiria), Vila de Rei (Castelo Branco), Mação e Sardoal (Santarém) são os restantes concelhos em risco máximo de incêndio a que se junta Monchique (Faro) o único mais a sul.

Na informação meteorológica do IPMA, estão oito distritos de Portugal continental sob 'Aviso Amarelo' devido à previsão de temperaturas elevadas.

Bragança, Évora, Guarda, Vila Real, Setúbal, Santarém, Beja e Castelo Branco são os distritos com 'Aviso Amarelo', o terceiro mais grave numa escala de quatro e significa "risco para determinadas atividades".

No arquipélago da Madeira, o 'Aviso Amarelo' é para tempo quente, mas também para o vento nas costas norte e sul, assim como na região montanhosa, enquanto em Porto Santo é só para a temperatura.

Lusa

  • Autarca de S. Pedro do Sul confiante na ajuda dos meios aéreos
    2:03

    País

    Pelo segundo dia consecutivo S. Pedro do Sul é o concelho que mais preocupa as autoridades no mapa de incêndios. A noite foi complicada com várias frentes de fogo. Várias aldeias estiveram cercadas pelas chamas e foram evacuadas. Há um homem ferido em estado grave. O presidente da Câmara de S. Pedro do Sul, Vítor Figueiredo, mostrou-se esperançado de que o incêndio possa evoluir favoravelmente durante o dia de hoje, com a ajuda dos meios aéreos.

  • Duas fábricas consumidas pelas chamas em Cascais
    1:40

    País

    Este sábado um incêndio alarmou a população de Talaíde, no concelho de Cascais. Só há danos materiais a registar mas ainda assim dezenas de moradores não ganharam para o susto quando as chamas se aproximaram das casas. Uma fábrica de bicicletas e outra de paletes de madeira foram totalmente consumidas pelo fogo.

  • Incêndio de Ponte Lima dado como extinto
    1:39

    País

    Em Ponte de Lima, o incêndio que chegou a ter duas frentes ativas,foi dominado pelos bombeiros ao início da tarde deste domingo e já foi dado como extinto. Estiveram envolvidos no combate às chamas mais de 60 operacionais.

  • Depois das chamas em Anadia, é hora de fazer contas
    3:13

    País

    O incêndio de Anadia deu finalmente tréguas aos bombeiros. As chamas que esta semana lavraram durante três dias e que alastraram a Mealhada e Mortágua, deixaram um rasto de destruição. Agora começam-se a fazer as primeiras contas aos prejuízos que ao que tudo indica poderão atingir as centenas de milhares de euros.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.