sicnot

Perfil

País

Cabeleireiro do Funchal angaria donativos com cortes "sem preço"

Um cabeleireiro do Funchal decidiu "perder um dia de trabalho por uma boa causa", oferecendo, na passada quarta-feira, cortes de cabelo "sem preço", para recolher donativos destinados a ajudar afetados pelos incêndios que assolaram a Madeira.

"Começamos a imaginar a dor das pessoas que tiveram que fugir, de algumas delas que ficaram para proteger as suas casas e que acabaram por perder tudo, e achamos que não são só as grandes empresas que deveriam ajudar, mas também as pequenas, porque se todas fizerem um pequeno donativo ou (derem) uma pequena ajuda é muito importante para quem não tem nada", explicou Roberto Rodrigues, um dos proprietários do cabeleireiro HEY (Hair Express Yourself).

O salão vai estar aberto o dia inteiro unicamente para disponibilizar cortes de cabelo "sem preço", em que os clientes decidem quanto pagam, dado que a verba vai reverter para pessoas afetadas pelos incêndios.

"Temos inclusive clientes que perderam a casa e, quando recebemos a notícia, a primeira coisa que dissemos foi: 'Vamos fazer qualquer coisa'. Surgiu então a ideia de fazer algo com o cabeleireiro. Achamos que seria uma coisa diferente", contou Roberto Rodrigues à agência Lusa.

O coproprietário do salão, que existe há dois anos, indicou que têm já recebido donativos por parte de clientes que passaram pelo espaço.

Para o evento 'oficial' de quarta-feira, Roberto Rodrigues espera entre 100 e 150 pessoas, as quais vão ser atendidas por três cabeleireiros, incluindo um suíço, que foi dos primeiros a disponibilizar-se para ajudar, segundo Roberto Rodrigues.

Isto pese embora um apelo nomeadamente no Facebook para que outros profissionais se juntassem à iniciativa.

"Pedimos a colaboração de outros cabeleireiros, mas não foi possível. (...) Gostávamos muito de trabalhar com outros, disponibilizamos o nosso salão para virem trabalhar, mas não recebemos contactos. Infelizmente é a realidade que temos, mas vamos para a frente na mesma", disse.

Em contrapartida, chegaram "imensas ajudas" de fornecedores, que disponibilizaram material, e de pessoas que já ofereceram refeições para o dia de quarta-feira.

Nenhum cliente será atendido por marcação prévia.

As pessoas vão receber um número à chegada. Caso não sejam atendidas nesse dia, ser-lhes-á dada a oportunidade, se guardarem o número, de irem ao salão até à próxima semana, inclusive.

Os donativos que vão ser colocados numa caixa ainda não têm destino definido, mas provavelmente serão entregues a uma pessoa que ficou desalojada devido aos incêndios.

"É perder o dia de trabalho para uma boa causa", concluiu Roberto Rodrigues.

Lusa

  • Pastores da Calheta fazem contas aos estragos
    2:45

    País

    Os estragos provocados pelo incêndio da última semana na Calheta, Madeira, já começaram a ser calculados. Há muitos agricultores que perderam palheiros e produções e há também pastores que temem não ter alimentação para os animais

  • Professor reformado na Madeira deixa tudo o que tinha para salvar animais
    3:28

    País

    Na Madeira, o incêndio na serra da Calheta já está em fase de rescaldo depois de quatro dias sem dar tréguas aos bombeiros. No concelho, pelo menos quatro casas foram consumidas pelas chamas, como a de Fernando Ascensão. O professor reformado, deixou tudo tinha para trás para salvar os animais do abrigo quem têm há vários anos.

  • Depois dos fogos, madeirenses mantêm tradições
    3:08

    País

    No Funchal, menos de uma semana depois dos incêndios a população tenta manter as tradições como as festas no Monte. Esta freguesia foi uma das mais afectadas e a Câmara Municipal decidiu proibir o arraial mantendo-se apenas a procissão e a missa.