sicnot

Perfil

País

Fogos não afetaram vindima da Madeira mas colheita terá quebra de 10%

A Secretaria Regional da Agricultura e Pescas da Madeira afirmou esta terça-feira que, numa primeira avaliação, a vindima deste ano não foi muito afetada pelos incêndios que fustigaram a ilha da Madeira na passada semana, mas terá uma quebra de 10%.

"Segundo os primeiros dados do Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira (IVBAM), a vindima de 2016 não terá sido muito afetada pelos incêndios que na passada semana consumiram vastas áreas em alguns concelhos da região", refere este departamento do executivo madeirense numa nota enviada à agência Lusa.

O gabinete do secretário regional Humberto Vasconcelos adianta que os técnicos do instituto têm estado em várias zonas afetadas pelo fogo a dar apoio aos viticultores, havendo "neste momento a lamentar apenas algumas produções no concelho da Calheta [zona oeste da ilha], que estão com alguns prejuízos".

A SRAP refere que se perspetiva uma "quebra de produção na ordem dos 10%, resultante apenas das condições meteorológicas", não diretamente relacionadas com os incêndios.

Em 2015, foram produzidas 4.680 toneladas de uvas na região.

No ano passado a comercialização do Vinho Madeira situou-se nos mais de 3,3 milhões de litros, representando os países da União Europeia uma quota de mercado de 80,9 %.

Estes são o principal destino deste vinho, com especial destaque para a França, Reino Unido, Alemanha e Bélgica, além de Portugal continental.

O governo madeirense aconselha os agricultores que tenham sido afetados pelos incêndios a contactar a Secretaria Regional de Agricultura e Pescas ou as Juntas de Freguesia.

No próximo dia 29 começa mais uma edição da Festa do Vinho da Madeira, que este ano se prolonga até 12 de setembro.

Lusa

  • Pastores da Calheta fazem contas aos estragos
    2:45

    País

    Os estragos provocados pelo incêndio da última semana na Calheta, Madeira, já começaram a ser calculados. Há muitos agricultores que perderam palheiros e produções e há também pastores que temem não ter alimentação para os animais