sicnot

Perfil

País

Ordem dos Médicos desafia partidos a exigirem mais verba para as despesas em saúde

A Ordem dos Médicos desafiou esta terça-feira os partidos políticos a exigirem que o Orçamento do Estado destine para as despesas públicas em saúde uma verba correspondente a 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB), superior aos 5,8% em 2016.

Em comunicado, a Ordem dos Médicos desafiou os partidos representados na Assembleia da República a exigirem que o Orçamento Geral do Estado para 2017 destine para as despesas públicas em Saúde uma verba correspondente a 6,5% do PIB, um valor sobreponível à média dos países da OCDE.

"Em 2015 este valor tenha sido apenas de 5,8% do PIB, mantendo-se semelhante em 2016, o que é tremendamente insuficiente", prossegue a Ordem.

Os médicos referem que "o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem vindo a ser progressivamente destruído devido à contínua redução do seu financiamento, o que implica uma inevitável perda de qualidade e capacidade de resposta e um consequente aumento das despesas privadas em saúde, agravando o já elevado esforço das famílias com este sector".

"Enquanto na média dos países da OCDE as despesas privadas em Saúde representam 27,1% do total das despesas em Saúde, em Portugal esse valor já vai em 34%, traduzindo um esforço acrescido para os empobrecidos portugueses", lê-se no comunicado.

Para esta ordem, "sem um financiamento correspondente à média dos países da OCDE, em percentagem do PIB, não é possível prestar cuidados de saúde de qualidade aos portugueses".

"Mesmo assim, em valores absolutos e porque o PIB português é muito baixo, a despesa per capita em saúde continuará muito inferior à média da OCDE, pelo que o SNS continuará a ser um sistema de saúde extremamente barato", indica a Ordem.

No comunicado, este órgão avisa que, "se algum partido aprovar um Orçamento Geral do Estado para 2017 que contemple uma verba para o SNS inferior àquele valor, estará a contribuir para a fragilização do SNS e para agravar as condições de assistência em saúde à população e incumprirá a Constituição".

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis - avaliação interna ao FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela 'troika' em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • 64, 65 ou 73, afinal quantas são as vítimas de Pedrógão?
    1:27
  • Enfermeiros suspendem greve e protesto

    País

    Os enfermeiros decidiram esta segunda-feira suspender a greve de zelo e o protesto contra o não pagamento do trabalho especializado, devido ao compromisso do Governo de iniciar negociações sobre matérias como horários de trabalho e remunerações, indicou fonte sindical.

  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC