sicnot

Perfil

País

Prisão preventiva para jovem do Boom Festival que expeliu 45 "bolotas" de haxixe

O Tribunal de Idanha-a-Nova decretou esta terça-feira prisão preventiva ao jovem de 23 anos participante no Boom Festival que estava detido na GNR depois de ter expelido 45 "bolotas" de haxixe.

"O tribunal de Idanha-a-Nova decretou a prisão preventiva ao jovem, que deve agora ser conduzido para o estabelecimento prisional de Castelo Branco", disse à agência Lusa o tenente-coronel Fernando Miranda, da GNR.

Internado até segunda-feira no Hospital Amato Lusitano de Castelo Branco, onde expeliu as 45 "bolotas" de haxixe, o jovem, natural de Lisboa, ficou depois detido nas instalações da GNR de Castelo Branco e foi presente esta terça-feira ao tribunal de Idanha-a-Nova.

No domingo, duas pessoas que estavam no Boom Festival, em Idanha-a-Nova, entraram em paragem cardiorrespiratória e acabaram por morrer durante o transporte para o Hospital de Castelo Branco, desconhecendo-se até ao momento, as causas que estiveram na origem das duas mortes.

Os dois corpos estão no Gabinete Médico Legal de Castelo Branco para serem autopsiados.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.