sicnot

Perfil

País

Governo da Madeira repara "pequenos danos" enquanto aguarda apoios

O Governo Regional da Madeira já começou a reparação de "pequenos danos" provocados pelos incêndios da semana passada, enquanto aguarda por apoios financeiros, disse esta quarta-feira a secretária regional dos Assuntos Sociais.

"O que fizemos foi passar para instituições particulares de solidariedade social (IPSS) o nosso fundo de socorro social e é com esse fundo que estamos a tratar dos pequenos danos", referiu Rubina Leal, em Lisboa, em declarações aos jornalistas no final de uma reunião com o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão Social, Nelson de Souza, em Lisboa.

De acordo com o secretário regional das Finanças e Administração Pública, Rui Gonçalves, também presente no encontro, "já foram transferidos 163 mil euros para IPSS e existe um pedido de reforço de 924 mil euros para o mesmo fundo".

Os representantes do Governo Regional da Madeira saíram satisfeitos da reunião que decorreu esta tarde no Ministério do Planeamento e Infraestruturas.

"Apraz-me registar a urgência que o Governo da República está a dar a este processo. É também a urgência que o Governo Regional está a dar e prova disso é que já fizemos o realojamento de todas as famílias que estavam no Regimento de Guarnição N.º 3", afirmou Rui Gonçalves.

O responsável destacou ainda "a garantia [da parte do Governo central] de que não haverá falta de fundos de financiamento para dar execução às medidas necessárias e que é urgente serem tomadas".

O secretário regional e o secretário de Estado escusaram-se a avançar números relativos aos danos totais na Madeira devido aos incêndios da semana passada.

"Prevemos que a muito curto prazo possamos dispor do inventário atualizado, quer dos danos e prejuízos causados às pessoas, às empresas e ao conjunto da região", afirmou Nelson de Souza, referindo ser "prematuro neste momento dizer se [o valor] é pouco se é muito".

O secretário de Estado referiu que, "ainda esta semana", uma equipa do Laboratório Nacional de Engenharia Civil irá à Madeira "para ajudar a estimar os resultados dos danos, mas também as necessidades de intervenção para garantir a segurança das pessoas no futuro, nomeadamente nas escarpas, que precisam de intervenção".

A próxima reunião entre representantes do Estado e do Governo Regional irá realizar-se no dia 26 no Funchal.

"Até lá contamos ter finalizado este processo de apuramento dos danos causados pelos incêndios. Com base nesse trabalho iremos desenhar as medidas de apoio e anunciar o conjunto das medidas", disse.

O governante reafirmou o "empenho e disponibilidade total do Governo da República naquilo que for necessário e apoiar financeiramente, através do fundo de solidariedade da União Europeia, dos fundos comunitários do Portugal 2020 e, se for o caso, dos próprios fundos nacionais aquilo que for necessário financiar em matéria de apoios à região autónoma da Madeira".

Os incêndios que atingiram a ilha da Madeira na semana passada afetaram sobretudo o concelho do Funchal, onde morreram três pessoas e onde os danos imóveis e estruturas públicas estão avaliados em 61 milhões de euros.

Cerca de 22% da área do concelho ardeu.

Também os concelhos da Ponta do Sol e da Calheta tiveram focos de incêndio.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.